0
Anterior
Vila Real de Santo António lança plano pioneiro de combate ao desemprego
Seguinte
Turistas indignados com portagens: "Nunca mais me apanham cá"
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues da Rede Expresso  >  Jornal do Algarve  >   Portimão puxa as brasas à sua sardinha

O mais emblemático festival do país está de regresso entre 3 e 11 de agosto

Portimão puxa as brasas à sua sardinha

Faltam cerca de duas semanas para os assadores começarem a dar fogo às brasas no Parque de Feiras e Exposições de Portimão. A organização promete dar "novo fôlego" a esta 18ª edição do festival mais emblemático e "fumarado" de Portugal

|
A sardinha assada é um “clássico” das férias algarvias que atrai milhares a Portimão
A sardinha assada é um “clássico” das férias algarvias que atrai milhares a Portimão / Jornal do Algarve

Está quase aí a festa que os portimonenses mais gostam. Entre os dias 3 e 11 de agosto, o Festival da Sardinha promete fazer as delícias dos apreciadores da "mais deliciosa sardinha assada do país". Quem o garante é a organização, que anunciou "muitas mudanças" para esta 18ª edição do evento, que se realiza no Parque de Feiras e Exposições de Portimão.

"Durante nove noites, o mais emblemático festival gastronómico de Portugal vai ganhar um novo fôlego, numa viagem que começa a ser recreada junto ao Museu de Portimão, percorrendo as memórias da indústria conserveira, e que culmina ao Parque de Feiras e Exposições, onde o entretenimento, a música, o artesanato, a gastronomia, a doçaria, o fado, a arte, o humor, o teatro de rua e um espetáculo de luz e fantasia serão diariamente motivos redobrados para uma visita obrigatória", desvedam os responsáveis.

Assim, todos os dias às 18h30, o festival vai arrancar com uma parada. "Há Sardinha no Cais" é o nome da iniciativa, levada a cabo pelo grupo Chapitô, e que contará a história da indústria conserveira pelas margens do rio Arade. O apito da sirene da antiga fábrica Féu, atual Museu de Portimão, também se vai voltar a ouvir por estes dias e será o ponto de partida para esta parada.

O objetivo é recordar o passado de Portimão, que está intrinsecamente ligado à pesca e à indústria conserveira, e mais concretamente à pesca da sardinha. Basta recordar que, há algumas décadas, existiam cerca de 850 embarcações de pesca artesanal e perto de 30 fábricas de conserva.

 

Três palcos com muita animação

 

Para além da rainha da festa - que será servida no pão, com batata cozida e a tradicional salada algarvia, em oito restaurantes com capacidade para 2.500 pessoas -, o Festival da Sardinha de Portimão também tem à disposição dos visitantes petiscos típicos algarvios, pão com chouriço, queijos e enchidos, gelados e doçaria regional. Ao todo, o evento vai contar com a presença de mais de noventa expositores, com destaque também para o artesanato e para os produtos típicos.

Por outro lado, a organização do certame revela que vai apresentar este ano um novo conceito - a animação de rua -, com Cigo Man, "o homem dos sete instrumentos" e as atuações do grupo Chapitô.

A edição de 2012 do Festival da Sardinha conta ainda com três palcos. No palco "Fado e Petiscos", os visitantes poderão escutar os artistas locais num ambiente de tasca típica à beira rio, sendo que nos dias 6 e 7 de agosto o palco dará lugar aos novos talentos Open Mic do Lol fest, em que os melhores ganham dez minutos de fama.

Já o palco "Sardinha" vai acolher todos os dias sonoridades diferentes, desde a música ao humor, passando pelo folclore ou pelo jazz, com atuações de bandas como Os Desbundixie e o projeto The Nice (Marisa Fortes + Djoy).

Destaque ainda para o cartaz do palco principal. Mónica Ferraz, MissyM (Morangos com Açúcar), Xico Barata, Lol Fest com humoristas de renome (Herman José, Serafim e muitos outros), Boss AC, Ar de Rock & Convidados Especiais e Calcinha Preta são os artistas que vão pisar o palco principal do festival, terminando cada noite com um espetáculo de laser, pirotecnia, som e fantasia.

 

(Mais informação em www.jornaldoalgarve.pt)


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 0 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub