7
Anterior
A "caixinha da saúde" ou como ficar deslumbrante em cinco minutos
Seguinte
Que parvos que os precários são!
Página Inicial   >  Blogues  >  Blogues Life & Style  >  A vida de saltos altos  >   Porque os homens também choram

Porque os homens também choram

Já não acontece só às mulheres: os homens também são vítimas de violência doméstica. Num caso ou noutro, esta deve ser denunciada, as vítimas protegidas e os transgressores condenados. (Com vídeo)
|
A vida de saltos altos - Porque os homens também choram

Quem me conhece sabe que sou acérrima defensora dos direitos do Homem e que me indigno sempre que leio ou vejo mais uma notícia sobre a violência dos homens contra as mulheres. No outro dia falava sobre isso com um amigo meu e prometi-lhe escrever sobre o outro lado do espelho, mostrando que eles também sofrem.

Se por uma lado é desprezível que, em pleno século XXI, as mulheres continuem a ser vítimas de violência doméstica, hediondo é também o facto de, cada vez mais, se assistir à violência da mulher contra o homem, muitas vezes - se não na maior parte delas - através da pressão psicológica, manipulação e intrépidos joguetes familiares.

Do alto da sua masculinidade, eles ainda têm vergonha em afirmar que são violentados, alvo de perseguição e que esta violência não se mede em equimoses, mas em nódoas negras emocionais, que ferem o corpo, mas sobretudo a alma. E quando existem filhos, estes servem de desculpa para uma violência que não é física mas é psicologicamente atroz.

Palavra de homem


Quis falar com alguém para que as palavras não fossem apenas estatística e com o João troquei sentimentos e desabafos de uma vítima no masculino. Divorciado, com 40 anos e pai de dois filhos, de 4 e 6 anos.

Do testemunho fica algum pudor e até vergonha em falar a verdade mas, acima de tudo, a força de quem leva a vida em frente e desabafa: "Uma mulher consegue levar um homem à loucura na pressão incansável que faz sobre a sua família, a sua mãe, os seus amigos, as suas ações mais inofensivas. Em maior ou menor escala, praticamente todas o fazem. A constante insatisfação de uma mulher face ao que considera ser o homem ideal, incinera autoestimas dos seus companheiros diariamente. E, naturalmente, pode levar a questões muito mais graves".

É violência quando homem ou mulher privam o cônjuge de estar com filhos


Apesar da revolta diz que sempre esteve na linha da frente, no que respeita à defesa das mulheres, mas cansado de viver com o inimigo desabafou: "Se mudares o género verás que o crime é o mesmo e existe na mesma proporção, só que tem menos estatística por duas simples razões: os homens ainda têm vergonha de o denunciar; os homens perdem em tribunal se a mulher disser que é tudo mentira. Pior, se uma mulher for colocada perante um juiz e disser que é vítima destes crimes, o homem é culpado até prova do contrário. Se for o homem a denunciar, a mulher é inocente até prova do contrário. Como vês a violência contra os homens também toma várias formas, tanto pode ser física, como psicológica, emocional, verbal, económica e sexual. O objectivo da pessoa que agride é sempre o de controlar a vítima, isolá-la, torná-la frágil e insegura. O agressor é frequentemente a mulher, a companheira ou a namorada, mas também pode ser a ex-mulher, a ex-companheira, ex-namorada, mãe, irmã e filha".

"A coragem vê-se em quem defende minorias, não maiorias"


Perante este testemunho senti a obrigação de mostrá-lo aos homens, não para desculpá-los mas para lhes mostrar que a violência existe e que não devem temer denunciá-la, porque sempre que se calam tornam-se coniventes com uma situação inaceitável, quer seja no masculino quer no feminino. 

"É violência quando homem ou mulher privam o cônjuge de estar com filhos. Após a separação é uma prática criminosa hedionda e nojenta aceite como algo normal entre as mulheres. Nunca vi ou tive conhecimento de uma amiga que tentasse demover outra de privar o marido de ver os filhos após a separação. Pelo contrário. Que espécie de ser joga com o que de mais sagrado há para um progenitor? Desculpa o desabafo, mas cada vez tenho menos esperança de ver uma mulher a escrever sem medo sobre o que as mulheres são capazes de fazer (e fazem) aos homens dentro e fora das quatro paredes. Não desprezo e jamais desprezaria a violência contra mulheres. Desprezo sim as análises que continuam a dar o enfoque nessa tónica, simplesmente porque há menos dados públicos do contrário. A coragem vê-se em quem defende minorias, não maiorias".

Tomei a liberdade de escrever. Não podia deixar um amigo silenciado na dor, se antes lhe tinha pedido para se colocar na linha da frente. A violência contra os homens existe, assim como contra as mulheres, como tal deve ser denunciada, as vítimas protegidas e os transgressores condenados.


Relembre a reportagem - Violência doméstica: Quando as vítimas são eles


A Vida de Saltos Altos no Facebook

A Vida de Saltos Altos também está presente no Facebook. Na página desta popular rede social qualquer um pode ser amigo deste blogue. Clique para visitar.



A Vida de Saltos Altos no Twitter

A Vida de Saltos Altos é presença assídua no Twitter, onde estão todos os posts deste blogue. Junte-se às pessoas que aí nos seguem. Clique para visitar.




Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 7 Comentar
ordenar por:
mais votados
A Clotilde não merecia
Cara Sofia, aproveitei a Clotilde ter saído para lhe escrever. Saiu com uma amiga e o tema da conversa foi este seu texto: … olha só a velhaca e o tal amigo deve ser dos “tais”… – foram as últimas palavras que escutei, até ao bater da porta.

E realmente, a Clotilde é a antítese dos seus exemplos: nunca, mas nunca mesmo, teve a maldade de me separar dos meus filhos – “vai-lhe mudar a fralda” – fui sempre eu. Nunca me tirou, nem uma só vez, esse prazer. E não só os filhos: a Alcachofra, uma cadelinha que ela tanto amava, era eu, de saquinho de plástico na mão que ia até à rua assisti-la nas necessidades fisiológicas.

Tenho um lar de paz e amor; às vezes pego no comando da televisão – pego por pegar – e a Clotilde preocupa-se logo: “não vais ver futebol… pois não?” E claro que não. Mil vezes prefiro os programas da Oprah ou do Dr. Oz, onde se discute o problema de gordos heterossexuais que ficaram gordos, porque foram engordados. Ou do Dr, Phil, em que a mãe tem um filho do filho da filha que é toxicodependente e o marido é amante da prima da sogra.

E é muito preocupada comigo; recomenda-me sempre para bater as almofadas do sofá para que não se saiba que durmo lá. Se não gostasse de mim, queria lá saber que os outros soubessem.

Não sei onde o seu amigo foi buscar a ideia que há mulheres “más” para os homens? Não sei se é ressabiado (aprendi esta palavra nos comentários do Expresso), mas o que ele é de certeza, é azarento: de nunca ter conhecido a minha Clotilde.
Cara Sofia, agora a sério…
Entendo a sua preocupação com a imparcialidade, mas a exposição do seu amigo não passa de um relato das relações humanas: desespero, medo ódio, despeito, vingança… violência… e assassinato. É aqui que reside a diferença: violência e assassinato.

Tudo pende para um lado, com raras excepções; na maioria dos casos por envenenamento, resultado de uma opressão psicológica semelhante à relatada pelo seu amigo.
 
A utilização dos filhos, como vingança ou chantagem “pertence” às mulheres, na medida em que a Justiça normalmente entrega as crianças à mãe. Mas quando a decisão é diferente, será que o homem não utiliza a mesma arma? Principalmente quando o Tribunal dá como provado um comportamento imoral; obviamente, por parte da mulher, porque ao homem a “coisa” é consentida.

O seu artigo fará abrir uma caixa de Pandora recheada de queixas, mas não dá para comparar o que não é comparável. Na realidade, se considerarmos os conflitos domésticos como um baralho de cartas, por mais que se baralhe, quando “sai” vítima, é sempre mulher.

Cumprimentos
Re: Cara Sofia, agora a sério…
Re: Cara Sofia, agora a sério…
Re: Cara Sofia, agora a sério…
Existe, pois existe....
Toda e qualquer forma de violência, independetemente do género e orientação sexual tem de ser condenada.

É um facto que existe embora, no feminino, acabe por ter mais visibilidade talvez assente numa dada culturalidade mais masculina.

Exemplos há muitos, o que a Sofia nos trás é paradigmático, mas as "baterias" normalmente apontam noutra direcção.

No fundo, fica o porquê da violência? O que nos leva a isso?

De facto, a mente humana é uma "caixinha de surpresas" que continua a motivar a correria às Faculdades de Psicologia em busca de respostas...

...e não só.
Basta!!!
Ainda bem que este assunto começa a ser falado mais abertamente. E ainda bem que foi uma mulher a aborda-lo.

Infelizmente é muito difícil provar este tipo de violência. Quantas vezes não seria preferível ficar com uma marca. Sempre se podia mostrar. Assim... é só uma discussão. Coisa de casais... Depois passa... "Que exagero!", ouve-se. Mas a marca está lá!

E ainda se ouve a desculpa. Não dorme bem... as crianças estão sempre a gritar... são as hormonas... certo... há sempre uma desculpa...

E quando há crianças, mais se aguenta, porque nisto, a igualdade é escassa, sendo as mães estereotipaticamente vistas como o principal progenitor. O mais capaz... "porque é assim", ouve-se...

E vai-se aguentando, as insatisfações..., as faltas de paciência... as perguntas sem resposta. E ai de que se levante a voz! É logo um rio de lágrimas, insensibilidade masculina, etc. e tal.

Francamente, não há pachorra!!! Já é tempo das mulheres se retratarem!

Comentários 7 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub