Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Sondagem. PS sobe apesar de Sócrates

Sondagem da Eurosondagem para o Expresso e a SIC relativa ao mês de dezembro mostra uma subida socialista nas intenções de voto. A Direita recua. O PDR de Marinho e Pinto e o Livre de Rui Tavares, juntos, já ultrapassam o BE.

Bernardo Ferrão (texto) Carlos Esteves (infografia)

Duas semanas depois do congresso de Lisboa e em pleno furacão José Sócrates, o PS de António Costa consegue uma nova subida. Os socialistas já estão praticamente nos 38% registados em maio quando o partido era liderado por António José Seguro.

Aliás, desde que António Costa foi eleito (como candidato do partido a primeiro-ministro) nas primárias de setembro, o PS cresceu 4,5 pontos percentuais. E o PSD, em igual período, caiu 2,8.

Nas contas deste estudo, o Partido Socialista alarga a distância em relação à soma dos partidos da coligação. Agora, a diferença entre PS e PSD/CDS é de cinco pontos - há um mês era de quatro. E já falta menos de um ano para as eleições legislativas. 

No capítulo da popularidade, há uma descida generalizada dos intervenientes e organismos. Quanto a António Costa, que é avaliado pela primeira vez, estreia-se em alta recolhendo o maior número de preferências positivas. Mas é preciso lembrar que António José Seguro também era um habituée no topo deste ranking. 

No que toca aos outros, registe-se a subida dos chamados pequenos partidos. O Livre de Rui Tavares, que tantas vezes tem aparecido na fotografia com António Costa, cresce, ainda que muito ligeiramente, em relação à última sondagem. 

Sublinhe-se ainda a estreia do PDR, o partido de Marinho e Pinto, que entra bem e com uns 2,2% de assinalar.

Ou seja, com estes resultados, o cerco aperta para o partido das "seis cabeças" de Catarina Martins (juntos, o Livre e Marinho Pinto já ultrapassam o Bloco). Ainda assim, e depois do que se passou na última convenção com as divisões mais expostas do que nunca, a descida do BE é muito ligeira. Mas os números globais do partido não são bons. E a tendência não augura nada de muito melhor.

 

SAIBA MAIS NA EDIÇÃO DESTA SEXTA-FEIRA DO EXPRESSO DIÁRIO. DISPONÍVEL A PARTIR DAS 18H00. 

 

FICHA TÉCNICA

Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 4 a 10 de dezembro de 2014. Entrevistas telefónicas realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região: Norte (20,3%); A.M. do Porto (14,5%); Centro (28,3%); A.M. de Lisboa (27,0%) e Sul (9,9%), num total de 1036 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1240 tentativas de entrevistas e, destas, 204 (16,5%) não aceitaram colaborar neste estudo. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo. Desta forma resultou, em termos de sexo: feminino - 51,7%; masculino - 48,3% e, no que concerne à faixa etária, dos 18 aos 30 anos - 17,4%; dos 31 aos 59 - 50,2%; com 60 anos ou mais - 32,4%. O erro máximo da amostra é de 3,04%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.