Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Sampaio da Nóvoa non-stop

  • 333

Sampaio da Nóvoa, o candidato sobre o qual António Costa teima em não se pronunciar, tem dividido a família socialista

Luís Barra

O mais que provável candidato à corrida ao Palácio de Belém vai estar esta sexta-feira no Porto para falar da separação de poderes soberanos. No sábado, será a estrela maior do debate sobre o futuro da educação em Portugal.

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Depois de uma vida de intervenção pública moderada, António Sampaio da Nóvoa está imparável. A poucos dias da esperada apresentação da sua candidatura independente à Presidência da República, o antigo reitor da Universidade de Lisboa aposta num périplo pelo Norte.

Esta sexta-feira, Nóvoa é o protagonista do ciclo de conferências "Ter Estado. Debate sobre os poderes legislativo, executivo e judicial no Portugal do século XXI", que terá início às 10h no Palácio da Bolsa, no Porto.

A sessão de abertura vai estar a cargo do ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco. No debate irão participar ainda políticos alinhados da esquerda à direita, como António Filipe (PCP), Francisco Assis (PS) e Paulo Rangel (PSD).

No dia seguinte, sábado, o cada vez mais interventivo candidato a candidato presidencial desloca-se a Matosinhos para falar do futuro da educação em Portugal, em mais um seminário marcado para as 9h30 no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

O debate, organizado pela Associação Nacional de Licenciados em Ciências da Educação, contará com as intervenções de Guilherme Pinto, autarca que rasgou o cartão de militante do PS em rota de colisão com António José Seguro mas já fez as pazes com a família socialista com António Costa, e de António Correia Pinto, vereador da Educação da Câmara de Matisonhos, entre outros especialistas.

Sampaio da Nóvoa, o candidato sobre o qual António Costa teima em não se pronunciar, podia ter tido um bonito palmarés como médio atacante da Académica mas optou pela carreira académica a tempo inteiro. Agora, o ex-reiror da Universidade de Lisboa avança como extremo-esquerdo independente à corrida a Belém, dividindo a família socialista.