Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ramos Horta reage a Cavaco: é "falsidade" atribuir a Timor-Leste relevo na adesão da Guiné Equatorial

  • 333

No prefácio do "Roteiros IX", Cavaco Silva justifica a aceitação, por parte de Portugal, da entrada da Guiné Equatorial com o facto de não colocar em causa a coesão da CPLP e de não prejudicar Timor-Leste. 

O ex-Presidente da República timorense José Ramos-Horta considera uma "falsidade" atribuir a Timor-Leste um papel de relevo no lóbi para a adesão da Guiné Equatorial à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). 

Escrevendo na rede social Facebook no dia em que foi tornado público um texto do Presidente português, Cavaco Silva, que justificou a entrada da Guiné Equatorial (GE) com os "danos" diplomáticos que provocaria a Timor-Leste - que acolheu a cimeira onde a adesão foi ratificada -, Ramos-Horta sustenta que Angola e o Brasil sempre lideraram o lóbi favorável a Malabo na CPLP. 

"O lóbi forte pela admissão da GE [Guiné Equatorial] na CPLP foi sempre desencadeado por Angola e Brasil, apoiado por todos os outros países africanos da CPLP, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tome e Príncipe", escreve Ramos-Horta.  

"A reunião ministerial da CPLP que precedeu a Cimeira de Díli já tinha acordado consensualmente a adesão da GE. Perante a postura firme de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Angola, Portugal anuiu. Timor-Leste simplesmente secundou esta posição", escreve ainda. 

No prefácio do "Roteiros IX", publicação que reúne as suas principais intervenções do último ano, o Presidente da República portuguesa justifica a aceitação, por parte de Portugal, da entrada da Guiné Equatorial com o facto de não colocar em causa a coesão da CPLP e de não prejudicar Timor-Leste.  

"Tendo existido um grande empenho das autoridades timorenses na adesão da Guiné Equatorial, um veto português significaria o fracasso da cimeira, com elevados danos reputacionais para Timor- Leste", frisa, recordando que a cimeira era também vista como um teste à capacidade de Timor-Leste satisfazer as exigências da participação na Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), a que era candidato. 

"Sendo a adesão fortemente apoiada pelos países africanos de língua oficial portuguesa, pertencentes ao mesmo espaço regional que a Guiné Equatorial, a que se juntava o Brasil e Timor-Leste, um veto de Portugal poderia, no limite, pôr em causa a própria sobrevivência da CPLP", sublinha o Presidente da República. 

Lembrando a "forte hostilidade" que o assunto suscitava em Portugal, com muitos a reclamarem que Portugal vetasse a adesão, Cavaco Silva refere que "Portugal apresentou-se em Díli, como se impõe em política externa, com uma posição concertada entre o Presidente da República e o Governo". 

Cavaco Silva considera que se Portugal se isolasse face à vontade conjugada de todos os outros Estados-membros, "numa comunidade em que o multilateralismo deve prevalecer sobre o unilateralismo, Portugal veria ainda a sua posição dificultada pelo facto de ser o antigo poder colonial europeu". 

Ramos Horta critica as tentativas de "atribuir a Timor-Leste a responsabilidade pela admissão da Guiné Equatorial na CPLP", o que considera ser um "falsidade que tem sido propagada nos media portugueses desde a Cimeira de Díli de Julho de 2014".  

"De lembrar que na Cimeira de Luanda de 2010 registou-se um forte embaraço diplomático quando o Presidente da GE, estando presente e confiante que o seu país iria ser admitido, foi humilhado pelo veto de Portugal", escreve Ramos-Horta.

"Poderia Portugal continuar a opor-se a admissão da GE e isolar-se perante os outros sete Países membros da CPLP?", questiona Ramos Horta. 

A Lusa pediu um comentário sobre o texto de Cavaco Silva ao ministro dos Negócios Estrangeiros timorense, Hernâni Coelho mas, até ao momento, ainda não foi possível obtê-lo.