Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ramalho Eanes. Consenso político absoluto é difícil

  • 333

FOTO Alberto Frias

"Há investidas que não são razoáveis, mas é necessário que o regime saiba resolver essas situações", disse o antigo Presidente da República.

O antigo Presidente da República António Ramalho Eanes reconheceu este sábado que o consenso político absoluto é difícil e até "negativo", mas que o regime democrático deve ser capaz de resolver as diferenças.  

"A democracia é a crise, é o conflito entre as ideias - todas elas dirimidas democraticamente. O consenso absoluto é difícil. Há investidas que não são razoáveis, mas é necessário que o regime saiba resolver essas situações", afirmou Ramalho Eanes à saída da sessão solene comemorativa do 25 de Abril no parlamento.

É preciso uma "democracia autêntica" que se preocupe com todos, "com liberdade e igualdade no seu essencial", acrescentou.  

Instado a comentar o discurso de Cavaco Silva, o antigo chefe de Estado sustentou ainda que os consensos são importantes para que "a democracia não seja meramente eleitoral" sendo fundamental também garantir a liberdade.

Ramalho Eanes considerou que a democracia deverá demonstrar "vitalidade" e ser capaz de resolver os problemas de forma "virtuosa".

Esta manhã, Cavaco Silva voltou a defender a necessidade de um conenso político entre os partidos. "Só através do diálogo e do consenso, será possível alcançar os compromissos imprescindíveis para garantir a estabilidade política e a governabilidade do país", afirmou o Chefe de Estado.