Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Quem é o segundo eleito do MPT?

Festa da noite eleitoral de domingo pela eleição de Marinho e Pinto prolongou-se pelo dia de ontem quando se soube que o número dois na lista do MPT, José Inácio, também acabou eleito

Tiago Miranda

José Inácio, o número dois de Marinho e Pinto, é advogado e acaba de ser confirmado como deputado eleito para o Parlamento Europeu.

Luísa Meireles, com Lusa

José Inácio Faria é o nome do segundo candidato da lista do Partido da Terra - MPT, um advogado que já foi secretário-geral do partido. Confirmadas as projeções, também ele rumará a Estrasburgo.

José Inácio, um desconhecido, disse em entrevista ao programa "5 minutos Europa" que considera que a União Europeia está "em vias de desagregação" e que ou retoma o caminho inicial apontado pelos fundadores ou a União Europeia será um espaço "desagregado, terra de ninguém, um espaço neutro entre os Estados Unidos e um novo bloco a leste".

Para este advogado, a Europa viu Portugal como um "modelo e uma experiência que correu bem". Segundo afirmou, Portugal "conseguiu sair do fosso" à conta da austeridade do povo, mas a a classe média deixcou de existir e as grandes empresas fogem do país.

O Partido da Terra defende, segundo diz, uma maior integração e participação dos eurodeputados, cuja prestação considerou "fraca", citando, por exemplo, o trabalho que devia ser feito em torno da política agrícola e das pescas.

José Inácio defendeu ainda que é preciso "bom senso" e que os portugueses que pensam que a Europa está longe estão errados. "Tudo se decide em Bruxelas e em Estrasburgo", afirmou, defendendo que os eurodeputados têm de exercer o seu cargo em exclusividade.

Os quatro mandatos de Portugal para o Parlamento Europeu que faltavam apurar foram distribuídos pelo PS, Aliança Portugal, CDU e Partido da Terra, revelou a Direção-Geral da Administração Interna (DGAI).

No site criado para as eleições europeias, a DGAI avançou a distribuição dos 21 mandatos, com 99,62% dos votos conhecidos. Com 12 consulados por apurar, de um universo de 71, "é possível concluir pela certeza da distribuição dos quatro mandatos ainda não atribuídos na plataforma às candidaturas da Aliança Portugal, CDU , Coligação Democrática Unitária, Partido da Terra e Partido Socialista (indicados por ordem alfabética, por não ser definitiva ordem da sua atribuição)", lê-se no site.

Assim, conseguiram ser eleitos José Manuel Fernandes (pela Aliança Portugal - PSD/CDS), Miguel Lopes Viegas (CDU), José Inácio da Silva Antunes de Faria (MPT) e Liliana Maria Gonçalves de Gois (PS). O PS continua a ser o partido com mais mandatos nas eleições de domingo, com oito deputados, seguindo-se a Aliança Portugal com sete, a CDU, que elege três, e o MPT com dois eurodeputados. 

O Bloco de Esquerda conseguiu eleger apenas a cabeça de lista, Marisa Matias, ficando assim atribuídos os 21 mandatos de Portugal no Parlamento Europeu.

Nestas eleições, em que a abstenção atingiu o valor recorde de 66%, a CDU conseguiu um dos seus melhores resultados de sempre - passando a ter três eurodeputados -, enquanto o BE caiu para menos de metade em relação a 2009, sendo a surpresa da noite das eleições o resultado do MPT, com a eleição do cabeça de lista, António Marinho e Pinto, e do número dois José Inácio Faria.