Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

PSD e CDS lideram número de propostas de alteração à reforma do IRS

Os partidos da maioria parlamentar entregaram quase 40 propostas de mudanças, incluindo uma para alteração de várias deduções à coleta.

Os partidos da maioria parlamentar, PSD e CDS-PP, foram os que apresentaram mais propostas de alteração à reforma do IRS apresentada pelo Governo, entregando quase 40 propostas.



Entre as 37 propostas de alteração à reforma do Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares (IRS) apresentadas hoje pelos partidos que sustentam a maioria está a alteração de várias deduções à coleta (com imóveis, PPR, seguros de saúde e lares) e o recuo na cláusula de salvaguarda que previa que até 2017 ninguém pagasse mais IRS do que pagou em 2014.



Depois da maioria, foi o Bloco de Esquerda quem entregou mais sugestões, entregando no parlamento 31 propostas de alteração, como a eliminação da sobretaxa em sede de IRS, a criação de uma "maior justiça" no imposto e a possibilidade de o Fisco investigar "qualquer manifestação de riqueza".



O PCP apresentou 19 propostas de modificação da reforma do IRS, propondo também a eliminação da sobretaxa em sede de IRS e, por outro lado, a criação de uma 'cláusula de salvaguarda' para que os contribuintes possam ser tributados de acordo com as regras de 2012, ou seja, antes do "enorme aumento de impostos" do ex-ministro Vítor Gaspar.



Já o PS entregou 11 propostas de alteração, como a substituição do quociente familiar proposto pelo Governo por deduções à coleta fixas por cada dependente e ascendente, de 500 euros em cada caso, medida que, caso venha a ser acolhida pela maioria, pode levar os socialistas a viabilizarem a reforma.



O número de propostas apresentadas por PSD e CDS-PP na véspera da discussão e votação da reforma do IRS na especialidade motivaram a crítica do PS e do PCP, o que motivou o seu adiamento para quarta-feira à tarde.