Expresso

Siga-nos

Perfil

Perfil

Política

Pires de Lima contra bolsas científicas "longe da vida real"

  • 333

Ministro da Economia diz que não se pode "alimentar um modelo que permita à investigação e à ciência viverem no conforto de estar longe das empresas e da vida real".

O ministro da Economia, António Pires de Lima, lamentou hoje que parte da investigação científica em Portugal não chegue às empresas e disse que não é possível manter um modelo de financiamento que mantenha esta distância.

"Uma boa parte da investigação é financiada por dinheiros públicos e não chega à economia real. Não chega a transformar o conhecimento em resultados concretos que depois beneficiem a sociedade como um todo", afirmou o ministro, durante um debate sob o tema "Crescer para fora" na Fundação de Serralves, no Porto, onde se encontravam à entrada cerca de 20 manifestantes contra o Governo.

Pires de Lima disse não ser possível "alimentar um modelo que permita à investigação e à ciência viverem no conforto de estar longe das empresas e da vida real", referindo o elevado nível de doutorados 'per capita' em Portugal por oposição ao baixo número de doutorados nas empresas.

"É preciso de facto investir, dar continuidade à trajetória de investimento, mas também procurar criar um modelo de estímulos e de sinais que ligue a investigação, a ciência, a educação à vida concreta e real das empresas e que se traduza em produtos, marcas e serviços que possam fazer a diferença no mercado e devolver à sociedade o investimento que fizemos", afirmou o ministro da Economia, que voltou a mencionar a necessidade de incorporar uma educação para o empreendedorismo nas escolas portuguesas.

Por seu lado, o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, que marcou presença no debate na qualidade de antigo presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), sublinhou que talvez das coisas que fez melhor o Governo anterior foi "o investimento no saber".