Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Paulo Portas recorda legado de conhecimento verdadeiramente único

  • 333

"Muito do que sei e defendo em matéria de agricultura devo ao conselho amigo e inteligente de Armando Sevinate Pinto."

O presidente do CDS Paulo Portas lamentou hoje a morte do antigo ministro da Agricultura Sevinate Pinto, que considerava ser "um criador de políticas agrícolas notável e persistente", recordando o seu "legado de conhecimento (...) verdadeiramente único".

"Armando Sevinate Pinto era um ser humano excecional e um criador de políticas agrícolas notável e persistente. No Governo e nas instituições, na universidade e nas empresas, deu o melhor de si mesmo e deixou um legado de conhecimento, saber pensar e saber fazer agricultura em Portugal verdadeiramente único e que deve ser continuado", disse Paulo Portas numa mensagem escrita enviada à Lusa.

O também vice-primeiro-ministro recorda ainda que Sevinate Pinto, que morreu esta noite num hospital de Lisboa, "acreditava num mundo rural forte e num país agrícola competitivo" e que se "batia pelo interesse nacional, tanto em Lisboa como em Bruxelas - com patriotismo e razão".

"Muito do que sei e defendo em matéria de agricultura devo ao conselho amigo e inteligente de Armando Sevinate Pinto", que colaborou na criação do programa eleitoral do CDS em 2011, acrescentou Paulo Portas.

Natural de Ferreira do Alentejo, no distrito de Beja, Armando José Cordeiro Sevinate Pinto morreu esta noite num hospital de Lisboa, aos 69 anos de idade.

Licenciado em Engenharia Agrónoma pelo Instituto Superior de Agronomia, Sevinate Pinto foi ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XV Governo Constitucional PSD/CDS-PP, liderado por Durão Barroso, entre 06 de abril de 2002 a 17 de julho de 2004.