Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Paulo Morais. As eleições transformaram-se em "concursos para escolha do maior mentiroso"

  • 333

FOTO António Pedro Ferreira

O candidato à presidência da República garantiu que se for eleito demitirá o Governo que não cumpra as promessas eleitorais.

O candidato à presidência da República, Paulo Morais, afirmou este sábado que as eleições se transformaram em "concursos para a escolha do maior mentiroso", garantindo que se for eleito demitirá o Governo que não cumpra as promessas eleitorais. 

"Os partidos do poder transformaram os processos eleitorais em circos de sedução em que acaba por ganhar quem é mais eficaz a enganar os cidadãos. As eleições transformaram-se assim em concursos para a escolha do maior mentiroso. E o troféu em jogo neste concurso é a chefia do Governo", disse o candidato.

Paulo Morais, que entre 2002 e 2005 foi vice-presidente da câmara do Porto, durante o mandato de Rui Rio (PSD), falava, no emblemático café Piolho, no Porto, na sessão de apresentação da sua candidatura à presidência da República, tendo apontado como prioridades o combate à corrupção e a transparência das contas públicas.

Num discurso em que não poupou o atual Governo, nem mesmo os antecessores do executivo PSD/CDS-PP, Paulo Morais relatou medidas anunciadas em campanha eleitoral que diz não terem sido depois concretizadas durante os mandatos.

"Temos uma política onde a mentira tem sido a marca recorrente. Os candidatos tudo prometem em campanha e uma vez no poder esquecem os seus compromissos eleitorais. Passos Coelho prometeu-nos o céu, mas remeteu-nos ao inferno", referiu.

O candidato acusou também o "parceiro" dos sociais-democratas de "mentira" - "o CDS-PP defendia a diminuição da carga fiscal até chegar ao Governo e se tornar o maior cúmplice do seu agravamento" - para recuar até José Sócrates (PS) e Durão Barroso (PSD). 

"[José Sócrates] fez exatamente o mesmo. Prometendo não aumentar impostos, não tardou em fazê-lo quando subiu ao poder. Mais um mentiroso. Da mesma forma, Durão Barroso tinha anunciado na campanha de 2002 um choque fiscal com uma brutal redução de impostos. Mal tomou posse a primeira medida foi aumentar impostos", descreveu Paulo Morais.

O professor universitário defendeu que um presidente da República "não poderá pactuar" com "atos demagógicos e populistas de quem tudo promete e nada cumpre". 

"Sendo eu presidente, o primeiro-ministro que faça o contrário do que anunciou, violando o compromisso eleitoral com o povo, de mim só pode esperar uma atitude: obviamente demito-o", garantiu.

O candidato começou por falar da crise económica, considerando que o ambiente atual em Portugal é "depressivo", para depois atribuir as culpas à "falta de uma política" com "letra maiúscula", partindo para críticas muito duras à acumulação de cargos.

"Temos um regime democrático que ao fim de 41 anos de vida está completamente agonizante. A Assembleia da República abastardou-se completamente (...).Várias dezenas [de deputados] acumulam a função parlamentar com os grupos económicos que beneficiam de muitos favores do Estado. Os restantes pactuam com toda esta promiscuidade", acusou.

De seguida, partiu para o diagnóstico dos vários poderes instituídos, tendo sobre o sistema judicial dito que este "apenas sobrevive sempre sob suspeita de que os poderosos e ricos têm recursos para aceder a privilégios vedados ao cidadão comum".

Paulo Morais vincou que a Constituição atual "não é má", mas falta que esta seja cumprida. Já o parlamento foi adjetivado de "central de negócios". E, por sua vez, as "grandes sociedades de advogados" de "autênticos ministérios sombra".

Sobre "casos graves" como, enumerou, o BPN, o BES e outros, disse que "de uma vez por todas o Estado tem de confiscar as fortunas dos responsáveis".

Além de Paulo Morais, às eleições presidenciais marcadas para janeiro de 2016, já anunciaram ser candidatos Henrique Neto, Paulo Freitas do Amaral e Orlando Cruz.