Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos Coelho. Houve um tempo em que ele não era alemão

  • 333

Passos Coelho 
em 1998/99. 
Quando não era um “cidadão perfeito”


Alberto Frias

Entre as noitadas no Happening Bar e os dias de fato na Fomentinvest vão 20 anos de química latina. Os amigos confirmam: "Há um Pedro 1 e um Pedro 2".

Houve um dia em que Ângelo Correia resolveu dar a mão a Passos Coelho. O Pedro tinha acabado o curso, tinha entrado nos 40 e a Fomentinvest abre-lhe as portas para o que havia de ser um corte com cinco anos de caos. "Ele torna-se formal, começa a vestir-se na Labrador, organiza-se, o casamento com a Laura vira-o 180º", relata um amigo que acompanhou de perto a fase lunar do agora primeiro-ministro. Depois de duas décadas a 100 à hora, entre noitadas, muita política, um casamento agitado, duas filhas num ápice, alguns ganchos para ganhar dinheiro e muita falta dele, a cambalhota foi imensa e estonteante para os amigos: "Nós às vezes interrogamo-nos se havia um Pedro 1 e um Pedro 2". 

O Pedro 1 tinha química latina. A liderança da JSD afastara-o do percurso standard - "ele fez tudo ao contrário, quando nós estudámos ele gozou a vida e quando nós fomos trabalhar ele foi estudar" - e não terá sido por acaso que, na altura, a relação de Pedro com o pai não foi pera doce: "Ele adorava borga, foi adolescente até aos 20, era superdesorganizado", relata outro amigo que com ele partilhou à época animadas noites no Happening, o bar de Luís Represas onde Passos conheceu Fátima Padinha em registo tiro e queda. Conheceram-se hoje, foram viver amanhã. E quando ao fim de 18 anos conturbados se divorciam, "o Pedro fica um sem-terra". 

Os amigos não dão a cara porque "são questões pessoais", mas é raro ouvir tanta gente dizer o mesmo - "ele andava sempre aflito"; "era caótico", "era um pai exemplar no apoio às filhas e à mulher mas vivia amargurado"; "nunca acordava cedo", "em 99, quando deixou o Parlamento, arranjou uns ganchos mas teve problemas de dinheiro", "ele sempre foi desorganizadíssimo".

Distrações no ficheiro 

Luís Nobre, ex-deputado do PSD e amigo do protagonista, conta que quando ele saiu do Parlamento em 99, lhe deu trabalho na LDM (consultadoria para candidaturas a fundos europeus) e diz que ele era "escrupuloso numa coisa: sempre que recebia, passava logo o recibo". No resto, "o Pedro tinha uma vida difícil, era tudo uma confusão, faltava dinheiro, se não nunca teria acontecido o que aconteceu (não pagar a segurança social)". No fundo, no fundo, talvez também contasse o ADN: Luís Nobre acaba por admitir que "ele não era particularmente cauteloso na organização do seu ficheiro interno". 

De facto, sempre que é chamado a explicar questões procedimentais do passado, Passos Coelho fornece dados aos soluços, como se tivesse que reconstituir processos mal arrumados. A propósito da sua passagem pela Tecnoforma e pelo Centro Português para a Cooperação, soube-se que não declarou as ligações a esta ONG no registo de interesses na AR. Os amigos não estranham: "Ele nestas coisas sempre foi o português típico". O próprio veio esta semana assumir, ao "Sol" e numa resposta ao Expresso, que chegou a proceder "a pagamentos fora de prazo", "uma ou outra vez por distração, outras por insuficiência de meios financeiros". Assume ter tido "falhas no relacionamento com a autoridade tributária" mas diz que sempre as corrigiu "nos termos legais, tão rápido quanto possível".  

Pedro Pinto, outro amigo de sempre, conta que quando ele se casou com a Fá lhe emprestou a casa,"e ele na altura não podia pagar, mas quando conseguiu fazer um empréstimo, pagou-me tudo e com juros". "Ele não fica a dever nada, pode pagar com multa, mas paga". Já quanto à dinâmica funcional, até Miguel Relvas, o homem que o levou na ascensão a líder do PSD, confirma: "O Pedro é estruturalmente sério, mas pode ter situações de menor atenção". 

Em off, há amigos mais impressivos: "Ele era desleixado e somítico. Quando se separou, foi viver para cima do Comilão, comia lá e pagava ao sr. Cardoso ao mês. E tinha um carro bordeaux que só ia à revisão quando estourava". Com o tempo, o Pedro mudou. Mas há quem conte que "já depois de chegar a líder do PSD, "era sempre preciso lembrar-lhe: já pagaste o IVA? Já viste o IRS?". "Não sou um cidadão perfeito", assumiu o PM esta semana. O PSD aplaudiu de pé.

À frente do Governo, Pedro Passos Coelho foi o que se sabe: construiu um modelo político na base da ética austeritária. Moral da história: de vez em quando o Pedro 1 dá-lhe um trabalhão dos diabos.

 

Texto publicado na edição do Expresso de 7 de março de 2015