Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Jerónimo de Sousa. Data do anúncio da coligação foi "insulto ao 25 de abril"

  • 333

João Relvas/Lusa

Jerónimo de Sousa referiu-se à coligação como "a força que esteve contra o 25 de abril, as suas apostas, as suas realizações". "Não há nenhuma surpresa", disse ainda o secretário-geral do PCP em relação à aliança entre PSD e CDS-PP. 

O secretário-geral do PCP apontou este domingo a escolha do dia 25 de abril para o anúncio da coligação PSD/CDS-PP às legislativas, por Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, como um insulto ao Dia da Liberdade.

"PSD e CDS anunciaram ontem que vão concorrer juntos, anunciaram no dia 25 de abril. Creio, camaradas, que é importante afirmar que é um insulto ao 25 de abril esta direita que está a destruir o que resta de abril vir celebrar o seu acordo neste dia, de cravo ao peito", declarou Jerónimo de Sousa, num almoço da CDU (PCP/PEV), em Loures.

O secretário-geral do PCP referiu-se à coligação PSD/CDS-PP como "a força que esteve contra o 25 de abril, as suas apostas, as suas realizações" e considerou que "não há nenhuma surpresa" no entendimento entre sociais-democratas e centristas: "Estiveram unidos na destruição, querem continuar a destruição unidos". 

Segundo Jerónimo de Sousa, estejam "juntos ou separados", PSD e CDS-PP vão ter do povo a mesma resposta: "Uma derrota, uma redução drástica da votação na direita, para afastar esta gente, este Governo da vida política nacional em termos institucionais".

Este almoço comemorativo do 25 de abril - já com a sigla da coligação com que o PCP se apresentará às legislativas deste ano - realizou-se num pavilhão em São João da Talha e juntou, de acordo com a organização, cerca de 800 pessoas.