Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa deve pedir demissão de Passos, pressiona Manuel Alegre

  • 333

Manuel Alegre não entende o silêncio socialista em torno do caso das dívidas. E diz que António Costa já devia "ter confrontado o primeiro-ministro com a obrigação ética e política de se demitir"

Tiago Miranda

Histórico socialista não entende por que razão o PS não pede a demissão do primeiro-ministro por causa das dívidas à Segurança Social. Parece que Passos "beneficia de impunidade", diz Manuel Alegre.

Manuel Alegre, uma das vozes da ala esquerda do Partido Socialista, aumenta a pressão e o tom da crítica sobre António Costa, neste caso a propósito das dívidas à Segurança Social do primeiro-ministro. Alegre, citado pelo "Diário de Notícias", manifesta-se perplexo pela passividade do líder do partido e exige que peça a demissão de Passos Coelho.

O histórico não entende o silêncio socialista em torno do caso das dívidas. E diz que o PS já devia "ter confrontado o primeiro-ministro com a obrigação ética e política de se demitir". "Parece que Pedro Passos Coelho beneficia de uma absoluta impunidade política", lamenta Manuel Alegre. 

A semana passada, depois do elogio do líder do PS ao trabalho do Governo, o antigo deputado exigira a Costa a rutura total e clara com a austeridade. Agora, manifesta perplexidade pelo PS e os "outros partidos de esquerda" não terem ainda exigido a demissão de Passos por causa das suas dívidas à Segurança Social.

Segundo Alegre, já houve ministros que "por menos que isto se demitiram", citando o caso de António Vitorino, que deixou o Governo de Guterres no verão de 1997 por causa de um problema de sisa. E no estrangeiro, por pecados menos graves ocorrem demissões nos governos.

Só que "parece que Passos Coelho beneficia de uma absoluta impunidade política". E o primeiro- ministro, ao defender-se recordando implicitamente a atual situação de Sócrates ("nunca usei o meu cargo para enriquecer", disse o PM) "pôs em causa o princípio da presunção da inocência". "Parece que pretende transformar um caso judicial num caso político.", acusa Alegre.