Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Contas do CDS: promessas de Costa valem 1,8% do PIB

  • 333

FOTO LUÍS BARRA

Três mil milhões de euros é o custo estimado das medidas apresentadas por António Costa só em 2016. "Teríamos novamente a troika em Portugal", diz o CDS.

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Jornalista da secção Política

O CDS fez as contas às propostas apresentadas esta terça-feira por António Costa e chegou a dois números. Custo total das medidas só em 2016: 3 mil milhões de euros. Impacto no défice orçamental: 1,8% do PIB. "Se estas medidas avançassem isto significa que dentro de pouco tempo teríamos novamente a troika em Portugal", disse aos jornalistas a dirigente do CDS Cecília Meireles.

Em conferência de imprensa ao início da tarde, a vice-presidente do CDS detalhou as contas feitas pelo seu partido. Reposição dos salários da função pública, €300 milhões; descida do IVA da restauração, €300 milhões; despesa acrescida com prestações sociais, €178 milhões (€130 milhões no Rendimento Social de Inserção, €8 milhões no complemento solidário para idosos, €40 milhões para o abono de família); complemento para os salários mais baixos, €350 milhões; redução da sobretaxa de IRS, €380 milhões; cortes na TSU, tanto do lado dos patrões como dos trabalhadores, e nestes incluindo os que descontam para a Caixa Geral de Aposentações, €915 milhões. No total, são menos 2420 milhões de euros nas contas do Estado.

A este valor, o CDS acrescentou os €600 milhões que, segundo a maioria, qualquer próximo Governo terá de cortar nas pensões, por uma questão de sustentabilidade do sistema. E assim se chega ao número final de 3020 milhões de euros que, segundo os centristas, ficam em causa nas contas do PS. O que equivaleria a 1,8% do PIB.

O cenário apresentado pela dirigente centrista é nada menos que catastrófico: "défice e dívida a disparar", Portugal deixaria de sair do procedimento por défice excessivo, com custos de reputação e credibilidade, e deixaria de "crescer e criar emprego de forma sustentável".

A ideia socialista de estimular o crescimento da economia pelo lado do consumo e do investimento público é o contrário do que é defendido por todas as instituições e, nota o CDS, significa "um crescimento pouco sustentado".  

Ataque à sustentabilidade da Segurança Social

Cecília Meireles apresentou outras críticas às ideias avançadas pelo PS: as propostas para a Segurança Social são, na sua opinião, "um ataque à sustentabilidade" do sistema. No período total, estariam em causa 11,5 mil milhões de euros de receita a menos, que o PS propõe compensar cortando esse valor nas pensões.

A engenharia sugerida por António Costa é, na opinião do CDS, um plafonamento das pensões, mas de natureza obrigatória, sem possibilidade de escolha para o beneficiário. Mais: representa, no imediato, um buraco que o PS não explica como compensa, pois as pensões que estão a ser pagas agora são financiadas pelos descontos que são feitos agora.

O CDS critica igualmente a proposta de travar o desagravamento do IRC e de alterações às regras de contratação e despedimento, considerando que põem em causa os estímulos para que as empresas contratem.