Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Catarina Martins. "O Governo só tem uma resposta: cortar"

  • 333

"Afinal, o país dos cofres cheios em que é que difere do país dos cofres vazios?", perguntou Catarina Martins

FOTO CATARINA MARTINS

A coordenadora do BE acusa o Executivo de ameaçar os trabalhadores de cada vez que faz uma promessa às empresas, em referência à intenção do Governo de reduzir a TSU para o sector empresarial.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, afirmou esta manhã no debate quinzenal parlamentar que o Governo mantém a política de austeridade do programa da troika.

"O Governo só tem uma resposta: cortar, cortar. O senhor primeiro-ministro chega aqui com a trajetória de crescimento a dizer que tem que cortar pensões, no valor de 600 milhões de euros. Afinal, o país dos cofres cheios em que é que difere do país dos cofres vazios?", questiona Catarina Martins.

A deputada bloquista acusou ainda o Executivo de que cada vez que faz uma promessa às empresas estar com isso ameaçar os trabalhadores, em referência à intenção do Governo de reduzir a TSU para as empresas. "Acabaram os sectores protegidos? Vai dar esta borla à energia enquanto mantém cortes nos salários?", prosseguiu Catarina Martins. 

A deputada d'Os Verdes Heloísa Apolónia negou, por seu turno, que as medidas do Governo estejam a ir ao encontro das expectativas dos portugueses, tal como invocou o primeiro-ministro no início do debate.

"O senhor primeiro-ministro está redondamente enganado. Porque dizia que as medidas eram transitórias e acabavam no limite no fim do programa de assistência e afinal voltou com a palavra atrás. Nada garante que o Governo não vá acrescentar mais mal ao mal", afirmou. 

Heloísa Apolónia acusou ainda o Executivo de estar a ameçar a sustentabilidade da  Segurança Social. "Retirar condições às pessoas só prejudica as famílias e o aumento da natalidade", sustentou.

"Baixe o IRC para as micro e pequenas empresas. Só para essas. E fica com condições para aliviar as condições para as famílias portuguesas", rematou.