Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

BE: "Há três anos que Cavaco é um vice-primeiro-ministro"

A eurodeputada do BE, Marisa Matias, critica a postura do Presidente da República: "O seu compromisso é para com este Governo"

 A eurodeputada do BE, Marisa Matias, criticou hoje em Coimbra Aníbal Cavaco Silva por este se comportar como um vice-primeiro ministro e não como um Presidente da República.

"Há três anos que o que temos é um vice-primeiro ministro e não um Presidente da República", afirmou Marisa Matias, durante o jantar de Natal do Bloco de Esquerda (BE) em Coimbra.

Cavaco Silva "veio hoje falar para dizer a todos os portugueses qual é o seu compromisso. O seu compromisso é para com este Governo", apontou Marisa Matias, considerando que o Presidente da República veio "dizer o que já se sabia".

O Presidente da República garantiu hoje ao executivo, na apresentação de cumprimentos de boas festas pelo Governo ao Presidente, no Palácio de Belém, a continuação da "cooperação institucional leal e aberta" em 2015, ano que "não vai ser fácil" e em que os portugueses "têm a expectativa" de que "seja melhor".

Marisa Matias, numa retrospetiva daquilo que foi 2014, sublinhou que, com "o ano em que a 'troika' iria abandonar o país" e em que Portugal ia recuperar a sua soberania, "a única coisa" conhecida é que se deixou "de pagar a viagem dos três senhores [da troika]".

Segundo a eurodeputada do BE, há uma continuação de "uma política de austeridade total".

Para além disso, sublinhou também que o ano termina "com a vergonha do arquivamento do processo dos submarinos", em que há "corrupção provada noutros países" e que, em Portugal, "aqueles que receberam milhões viram o seu nome arquivado".

Apontando também para a Europa e para 2015, Marisa Matias salientou as eleições que vão decorrer em Espanha e na Grécia, referindo que "a solidariedade entre os povos de sul" é "mais forte do que qualquer chantagem" das instituições europeias.

"O ano de 2015 tem tudo para trazer a esperança e a capacidade de se sentir que algo pode mudar", concluiu.