Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Projeto do PAN para abolir touradas não passa no Parlamento

Deputado do PAN, André Silva, afirmou que nenhum partido que se diz progressista e defenda que deve continuar a haver touradas pode dizer que “apanhou o comboio do progresso”

A abolição das touradas proposta pelo PAN ficou-se pela discussão na generalidade, com rejeição garantida da maioria do Parlamento, que argumentou contra a imposição de uma vontade a parte significativa dos portugueses.

O deputado do PAN, André Silva, afirmou que nenhum partido que se diz progressista e defenda que deve continuar a haver touradas pode dizer que "apanhou o comboio do progresso", afirmando que para a maioria do Parlamento, os "falaciosos interesses económicos" por trás da tauromaquia valem mais do que padrões éticos.

A mesma Assembleia da República que aprova legislação a condenar a violência sobre os animais admite que esta aconteça, desde que no contexto das corridas de touros, apontou.

O deputado socialista Hugo Costa manifestou a discordância com o projeto de "proibição radical" do PAN, cuja aprovação "levaria a conflitos desnecessários" e poria "portugueses contra portugueses".

As touradas, defendeu, são reconhecidamente "parte da cultura popular portuguesa" e é "dever do Estado" proteger as manifestações culturais.

O social-democrata Joel Sá afirmou que o PAN quis "à pressa e sem cuidado impor à sociedade uma visão incompleta do mundo".

O argumento do PAN de que a tourada está em declínio não é certo para o PSD, que questiona: "então porquê abolir o que está em declínio?".

As touradas são "um legado histórico, social e cultural", dizem os sociais-democratas.

Da bancada do CDS-PP, Telmo Correia considerou que o PAN não tem o direito de querer impor a sua opinião a "populações inteiras" que têm na tourada "uma forma de vida do meio rural".

A uma proposta com apenas três artigos, Telmo Correia respondeu "numa palavra, não".

Dirigindo-se a André Silva, questionou a sua legitimidade para impor "hábitos lisboetas", numa referência à origem da maioria dos votos que elegeram o deputado do PAN para a Assembleia da República.

Entre os deputados do CDS-PP há quem goste e quem não goste de touradas, mas ninguém quer proibi-las, acrescentou.

Pelos Verdes, Heloísa Apolónia reconheceu que as touradas são um espetáculo violento que implica sofrimento real e que já devia ter saído das transmissões televisivas e, mantendo-se as transmissões, deviam ser classificadas para maiores de 18 anos, propostas do partido ecologista que a assembleia chumbou.

O debate, a sensibilização e a consciencialização das pessoas são fundamentais "para que deixe de haver adesão generalizada a um espetáculo desta natureza", afirmou a deputada, disponibilizando-se para deixar passar o projeto de lei do PAN à discussão na especialidade.

Maria Manuel Rola, do Bloco de Esquerda, afirmou que o partido admitiria discutir na especialidade a proposta, para lhes acrescentar as suas próprias ideias para resolver o problema do que viria depois da proibição.

O destino a dar aos animais a serem criados atualmente para as touradas é uma das questões que se coloca, afirmou, defendendo ainda o fim dos apoios públicos às touradas

"Leis minimalistas" trouxeram "consequências graves" no passado, disse.

Ângela Moreira, do PCP, considerou que o PAN "não admite outras culturas, identidades e tradições, só admite os seus padrões e quer impô-los".

A abolição "pela lei e à força" das touradas entraria em "conflito direto com as populações", que entrariam em confronto com as autoridades encarregadas de aplicar uma lei que não respeitaria "a diversidade cultural e a universalidade dos direitos".