Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Barulho na bancada: Negrão diz que o PSD votará "tendencialmente" contra o OE

Foto António Pedro Ferreira

Mais barulho no grupo parlamentar do PSD, com críticas à indefinição de voto no Orçamento e à forma "desastrosa" como a direção de Rio geriu o caso Tutti Frutti. Fernando Negrão diz que "todos os sinais" são no sentido do PSD chumbar o OE

Hugo Soares e Miguel Morgado foram, desta vez, os protagonistas de duras críticas feitas na reunião do grupo parlamentar do PSD contra a direção do partido. Temas em xeque: a votação do próximo Orçamento do Estado e a forma como o secretário-geral do PSD permitiu que o foco do caso Tutti Frutti (gestão danosa de responsáveis socialistas e sociais-democratas em várias juntas e autarquias) ficasse no partido.

"Desastroso", acusou o ex-líder parlamentar da bancada, Hugo Soares, referindo-se às palavras do atual secretário-geral do PSD, José Silvano, que em conferência de imprensa descolou do caso Tutti Frutti dizendo que tudo se passou antes da liderança de Rui Rio: "Paga o justo pelo pecador".

"Declarações mais do que infelizes", concordou Miguel Morgado, que alargou o âmbito das críticas à atual direção social-democrata, com acusações de estarem a "desvirtuar o modo de fazer oposição". Morgado, que foi assessor de Passos Coelho, falou mesmo de "dois PSD", o que quer ser alternativa ao PS e o que deixa que o PSD se confunda com o PS.

Transpondo a crítica para a votação do Orçamento do Estado para 2019, Hugo Soares criticou a indefinição da direção de Rio, onde Silva Peneda, do Conselho Estratégico, defende que o PSD vote a favor do OE, ao contrário do que aconteceu em anteriores Orçamentos da geringonça.

Fernando Negrão teve de acalmar as hostes com a garantia de que o partido votará contra o próximo OE, como o Expresso, aliás, já tinha noticiado.

No fim da reunião, aos jornalistas, Negrão foi no entanto menos perentório: "Todos os sinais são no sentido de que a votação poderá ser contra. Tendencialmente será contra".