Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Coimbra recusa ser prejudicada pelo atraso de investimentos que cabem ao Governo

Foto Nfactos

Manuel Machado, presidente da Câmara Municipal de Coimbra, socialista e também presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses considera que o adiamento de investimento por parte do Estado está a prejudicar Coimbra e a impedir que a cidade continue a desenvolver-se

Coimbra vive atualmente um "ambiente de confiança" nos planos nacional e internacional, disse esta terça-feira o presidente da Câmara Municipal, Manuel Machado, responsabilizando o Estado pelo atraso de décadas em investimentos da sua responsabilidade.

"Este ambiente de confiança que está a marcar a atual afirmação de Coimbra, que não pode ser prejudicada pelo adiamento crónico de investimentos que são da exclusiva responsabilidade da Administração Central", defendeu, frisando que se tratam de obras cuja "responsabilidade política" cabe ao Governo.

O autarca socialista, que é também presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), discursava na sessão solene comemorativa do Dia da Cidade de Coimbra, realizada no salão nobre dos Paços do Concelho. "Até há uma semana, o nosso trabalho político foi fazer sentir ao Governo que era inexplicável - para dizer o menos... - o adiamento de intervenções fulcrais para que Coimbra possa continuar a desenvolver-se e a criar riqueza", referiu.

Manuel Machado disse ter sido "neste ambiente de confiança e de reforço do sentimento de pertença da sua população que Coimbra lançou", há um mês, a sua candidatura a Capital Europeia da Cultura, em 2027, cuja equipa responsável é coordenada pelo mágico Luís de Matos. "O sucesso da Coimbra Capital Europeia da Cultura medir-se-á pela qualidade e pela inovação que conseguirmos induzir na produção artística e cultural da cidade e da região na década seguinte", adiantou, numa cerimónia em que também intervieram o presidente da Assembleia Municipal, Luís Marinho, e representantes dos diferentes partidos e movimentos com assento neste órgão autárquico.

O concelho de Coimbra "inverteu a tendência de perda de população, quase não tem desemprego e tem cada vez mais empresas", além de ser "o quarto melhor município do país para investir", afirmou. Na última semana "assistimos à afirmação pública dos compromissos do Governo" relativamente ao Sistema de Mobilidade do Mondego, reconstrução e modernização da estação ferroviária de Coimbra B, na Linha do Norte, bem como "alargamento e requalificação do IP3" entre Coimbra e Viseu, congratulou-se Manuel Machado.

"Falando de compromissos, há um que não pode pecar por omissão. Aquele que assumimos de dotar com um aeroporto com ligações internacionais uma das poucas regiões da Europa, a nossa região Centro, que não tem essa infraestrutura de transportes", disse o autarca, para manter um objetivo anunciado, em setembro de 2017, no âmbito da campanha da sua recandidatura à Câmara.

Manuel Machado indicou que a autarquia está "a trabalhar no processo com especialistas" da Universidade de Coimbra, os quais "muito em breve estarão em condições de apresentar uma solução que permitirá beneficiar muito a cidade, a região e o país". Na cerimónia oficial do Dia da Cidade usaram igualmente da palavra os eleitos Graça Simões (Cidadãos Por Coimbra), Helena Mendes (CDS-PP), Rui Soares (Somos Coimbra), Manuel Rocha (CDU), Nuno Freitas (PSD) e José Ferreira da Silva (PS).