Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Empresas, cultura e encontros com o rei: assim serão os três dias de Marcelo em Espanha

TIAGO PETINGA / Lusa

O Presidente da República aterrou este domingo em Madrid para uma visita oficial de Estado que passará também por Salamanca. Durante estes três dias, Marcelo Rebelo de Sousa vai ser muitas vezes acompanhado por Felipe VI e deverá evitar comentar assuntos como a Catalunha. Mas já começou a elogiar a relação com Espanha, país “irmão” de quem Portugal não tem “ciúmes”

Mariana Lima Cunha

em Madrid

Jornalista

Assim que desceu do avião e chegou ao Palácio do Pardo, em Madrid, pelas 21h30 deste domingo, Marcelo Rebelo de Sousa falou aos jornalistas para explicar a importância da relação, versátil e com ramificações variadas, entre Portugal e Espanha. O Presidente deu exemplos: as relações empresarias crescem, os laços culturais adensam-se, a relação política na União Europeia ganha peso. E é essa variedade que esta visita de três dias irá refletir, a julgar pelo conjunto de compromissos que manterão o PR ocupado.

A visita oficial tem início esta segunda-feira de manhã, altura em que Marcelo vai receber a chave de ouro da cidade de Madrid, marcar presença numa homenagem aos caídos por Espanha e ter um almoço privado com os reis de Espanha. De seguida, haverá tempo para uma conferência na universidade madrilena Carlos III, antes de jantar de novo na companhia dos reis – que, de resto, marcarão presença em boa parte da visita de Estado, a décima em que Felipe VI e Marcelo se cruzam, como o próprio Presidente fez questão de salientar à chegada.

A vertente empresarial e económica será marcante nesta visita. Na terça-feira, o Presidente vai estar na sessão de abertura do Encontro Empresarial Portugal-Espanha, onde falará, a par de António Saraiva, presidente da CIP, do presidente da Câmara de Comércio de Espanha, e do ministro espanhol da Economia. Neste dia, é de esperar que Marcelo, que já conta com um grupo de deputados (PSD, PS, PCP e CDS) a acompanhá-lo, conte também com a presença de Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, que se juntará à comitiva e ficará até ao fim da visita.

É também na terça-feira que o Presidente se vai encontrar com jovens portugueses – que estão a estudar em Espanha ou empreendedores – e depois com Mariano Rajoy, líder do Governo espanhol, dirigindo-se ainda às Cortes, isto é, às duas câmaras do Congresso espanhol.

A cultura terá lugar neste segundo dia de visita: Marcelo irá visitar a exposição "Pessoa. Toda a arte é uma forma de literatura", que se foca não só na obra de Fernando Pessoa como também na de artistas como Almada Negreiros ou Amadeo de Souza Cardoso e que está exposta no Museu Reina Sofía. Um dos seus curadores é, aliás, o português João Fernandes, que é hoje subdiretor do museu e já foi diretor do museu Serralves, no Porto.

Marcelo não se ficará apenas por Madrid: no terceiro e último dia da visita, viajará acompanhado pelo rei até Salamanca, para visitar um evento em que se darão a conhecer algumas startups e participar num ato solene na universidade de Salamanca. Será ainda na quarta-feira o seu regresso a Lisboa, o final de uma visita que aconteceu quase imediatamente a seguir à visita ao Egito, na semana passada.

À chegada a Madrid, Marcelo não perdeu tempo e prestou algumas declarações, focando-se nas relações – boas e evolutivas – entre Portugal e Espanha e na “vantagem” que o Brexit poderá representar para os portugueses no contexto dos equilíbrios na União Europeia. Mas não houve conversas sobre a situação nacional – nem deverá haver durante o resto da visita, avisou Marcelo, questionado sobre o Plano de Estabilidade e a possível instabilidade na maioria de esquerda que apoia o Governo no Parlamento. O mesmo para a questão catalã, desta vez por ser um assunto interno espanhol: “Eu tenho dois irmãos. Não me passa pela cabeça pronunciar-me sobre a vida dos meus dois irmãos”.