Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Governo garante que ala pediátrica no Hospital São João “vai avançar”

MANUEL DE ALMEIDA / Lusa

Ministro das Finanças diz no Parlamento que construção da ala pediátrica “está englobada num conjunto de projetos” já aprovados pelo Governo e que “vai avançar”. Mas “não com fotografias de primeiras pedras sem dinheiro”, refereriu, numa alusão a visitas de Pedro Passos Coelho ao Hospital de São João em 2015

O ministro das Finanças, Mário Centeno, garantiu esta quarta-feira no Parlamento que as obras para a construção da nova ala pediátrica no Hospital de São João, no Porto, vão avançar em breve. "Esse projeto está englobado num conjunto de projetos cuja aprovação foi feita pelo Governo e vai avançar", disse, durante uma audição requerida pelo PSD a propósito dos pagamentos em atraso nos Hospitais

A garantia foi deixada em resposta a críticas da deputada do CDS Isabel Galriça Neto, motivadas pelas notícias sobre as crianças que fazem tratamentos de quimioterapia nos corredores daquele hospital, por inexistência de uma ala pediátrica. Uma alusão que motivou forte contestação dos deputados do PS, que consideraram "deplorável" que a deputada centrista tenha defendido que Centeno "arrisca-se a ficar conhecido como o ministro que no seu país permitiu que crianças ficassem numa situação miserável".

Visivelmente irritado com esta referência Mário Centeno iniciou a sua intervenção retorquindo que não iria "ser indelicado" como Galriça Neto "foi no final". Por isso, não perguntou – perguntando – "se fizeram falta a algumas crianças" os milhões cortados na legislatura ao orçamento do SNS. "Vamos manter o nível desta discussão", apelou.

Rejeitando as teses de "garrote", "cortes" ou de "desinvestimento na saúde com consequências desastrosas que estão à vista" – defendidas pelos deputados do PSD e do CDS – Centeno insistiu que o orçamento do SNS tem aumentado, por contraponto ao que aconteceu com o Governo anterior.

"Os cortes às três pancadas implementados pela direita nos quatro anos anteriores não foram nenhuma reforma estrutural. Não melhoraram a saúde dos portugueses. Foram cortes cegos nos recursos humanos e nos recursos da saúde", disse, antes de apresentar obra feita. "Em março de 2018, comparado com março de 2015, entraram para o SNS 8480 trabalhadores a mais. è um aumento de 7.6% no número de trabalhadores, que conseguiu repor o nível de emprego e aumentá-lo face ao início da anterior legislatura", especificou.. "Temos feito um esforço de aumento de despesa e de canalização de verbas para o SNS", concluiu.

Foi nesse contexto, aliás, que Centeno incluiu o investimento previsto para o Hospital de São João. "Nao soubemos ontem das dificuldades da saúde", respondeu à deputada do CDS, recordando que "em março de 2015 o então primeiro-ministro foi ao São João lançar a primeira pedra desse investimento que falta". "Mas aquela pedra nao levava financiamento atrás. Portanto, quando o mesmo PM que se lixava para as eleições voltou ao São João sem dinheiro. Depois de dois lançamentos falhados, a obras não estava para ser feita e o problema da ala pediátrica mantinha-se".

Mas agora, diz, o atual Governo "constatando que não tinha sido deixado planeamento financeiro para aquela obra", decidiu "a nomeação de um grupo de trabalho". E perante os apartes dos deputados da direita sobre essa decisão, Centeno respondeu. "Para cortar não é preciso grupos de trabalho. Basta uma ordem: não se faça, não há médicos, não há enfermeiros. Por isso no final de 2015 o senhor primeiro-ministro foi lá sem grupo de trabalho, sem projeto, sem dinheiro e sem ala pediátrica para o São João", exemplifiicou, antes de revelar que o projeto para a nova ala pediátrica "está neste momento num conjunto de projectos para a saúde, cuja aprovação foi feita e vai avançar". "De forma concreta. Não com fotografias de primeiras pedras sem dinheiro".