Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Embaixador português em Moscovo fica em Lisboa “pelo menos” até segunda-feira

Paulo Vizeu Pinheiro foi chamado na sequência do ataque com um gás neurotóxico ao ex-espião russo Serguei Skripal, em Salisbury (Reino Unido), pelo qual Londres responsabilizou a Rússia

O Governo mantém em Lisboa o embaixador português em Moscovo, após o ter chamado para "consultas" na sequência do 'caso Skripal', pelo menos até segunda-feira, quando o tema será debatido pelos chefes da diplomacia da União Europeia.

"A nossa posição tem sido sempre bastante alinhada com a posição da União Europeia", disse esta terça-feira à agência Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, falando por telefone no final de uma visita bilateral à Irlanda.

O Governo português chamou, a 27 de março, o embaixador português em Moscovo, Paulo Vizeu Pinheiro, na sequência do ataque com um gás neurotóxico ao ex-espião russo Serguei Skripal em Salisbury (Reino Unido), pelo qual Londres responsabilizou a Rússia.

Também a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, chamou o representante dos 28 em Moscovo, mas quase todos os países do bloco europeu - à exceção de Portugal e outros cinco Estados - optaram por expulsar diplomatas russos.

"Não prevejo que o embaixador Paulo Vizeu Pinheiro regresse a Moscovo pelo menos antes de segunda-feira, 16. Nesse dia, o Conselho de Negócios Estrangeiros tem como um dos pontos da ordem de trabalhos a análise das relações com a Rússia e julgo que se nenhum elemento inesperado ocorrer nos dias que restam desta semana, é mais lógico que Portugal aguarde por eventuais informações adicionais que possamos todos ter na segunda-feira ou pela concertação de posições, antes de o nosso embaixador regressar a Moscovo", afirmou esta terça-feira Santos Silva.

O ministro dos Negócios Estrangeiros comentou que, entre os países europeus que também optaram por chamar os embaixadores, o Luxemburgo, a Bulgária e a Eslovénia já fizeram regressar os diplomatas aos seus postos na capital russa, enquanto os de Portugal, Malta e Eslováquia se mantêm nas respetivas capitais.

O envenenamento do ex-espião duplo e da sua filha em solo britânico provocou uma das piores crises nas relações entre a Rússia e o ocidente desde a guerra fria e conduziu a uma vaga histórica de expulsões recíprocas de diplomatas.

Londres acusa Moscovo de envolvimento neste envenenamento através da utilização de um agente neurotóxico, enquanto a Rússia desmente as acusações e denuncia uma "provocação" e uma "campanha antirrussa".