Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

António Costa recusa antecipar eleições em 2019

José Sena Goulão/Lusa

Chefe do Governo contraria ideia de Mário Centeno, que defendeu que “seria adequada” a antecipação das eleições no caso de um alinhamento dos calendários eleitorais de modo a permitir previsibilidade em termos do semestre europeu e da apresentação de um Orçamento em Bruxelas

O primeiro-ministro, António Costa, afastou esta terça-feira a possibilidade de se antecipar a realização de eleições legislativas em Portugal em 2019, considerando que esse "é um assunto ultrapassado".

"Foi uma questão que o senhor Presidente da República já colocou há uns meses e que todos os partidos disseram que não. É um assunto que está ultrapassado", declarou aos jornalistas António Costa.

No domingo, respondendo a uma questão do público que assistia a uma conferência, o ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, disse que a antecipação do calendário eleitoral "seria adequado" do ponto de vista da estabilidade se houvesse um alinhamento dos calendários eleitorais que permitisse previsibilidade em termos do semestre europeu e da apresentação de um orçamento em Bruxelas.

Esta terça-feira, o chefe do Governo explicou que, "em termos de teóricos e abstratos e para uma Europa do futuro, o alinhamento dos quadros eleitorais seria obviamente interessante, [mas] não é para agora" e não deverá acontecer "tão cedo".

"Objetivamente, o facto de estarmos sempre condicionados pelo calendário eleitoral uns dos outros é um fator que muitas vezes prejudica o fator de decisão, é obvio que sim", disse António Costa, referindo-se aos atos eleitorais nacionais, regionais, locais e às eleições europeias.

O primeiro-ministro falava em Lille, no norte de França, após ter visitado uma empresa do grupo português Simoldes.