Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ferreira Leite sobre relatório dos incêndios: “Responsabilizar não resolve qualquer problema”

“Indemnizar a população por si só não resolve nada”, afirmou a ex-líder do PSD, para quem “seria absolutamente incompreensível que as mesmas falhas se repetissem”

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Manuela Ferreira Leite ainda não leu todo o relatório da Comissão Técnica Independente sobre os fogos de outubro de 2017, mas leu algumas páginas e isso permite-lhe ter já uma opinião que resume assim: “Fiquei com a sensação que, depois da divulgação do relatório, começou-se a discutir aspectos laterais e politizados. A responsabilização não vai resolver qualquer problema nem dar respostas sobre como enfrentar os fogos. As pessoas não querem saber quem é o responsável, só querem ficar mais tranquilas e preparadas para que a ocorrência brutal do ano passado não se repita”.

Na opinião da ex-líder do PSD, seria mais “importante”, por exemplo, referir “o que está a ser feito para que as pequenas empresas e fábricas afetadas pelo fogo consigam recuperar o seu trabalho e produção”. “O aspecto económico tem sido pouco referido, assim como nada tem sido dito a respeito da proteção civil e do apoio a determinado tipo de zonas”, afirmou no seu espaço de comentário semanal na TVI24.

Questionada sobre se acredita que as medidas de prevenção adotadas e a adotar serão capazes de evitar uma tragédia como a ocorrida em 2017, Manuela Ferreira Leite respondeu: “Seria absolutamente incompreensível que as mesmas falhas se repetissem. Indemnizar a população por si só não resolve nada”.

Sobre a retirada de bonificações a pensões de quem tem carreiras mais longas, noticiada esta semana pelo “Jornal de Negócios”, a ex-líder social-democrata considera que o Governo tem de indicar “se foi um lapso” ou, pelo contrário, “algo intencional”, do mesmo modo que tem de ser claro sobre se pretende ou não acabar com as bonificações. “O Governo não pode armar-se em chico esperto e anunciar uma coisa boa que afinal redunda numa coisa neutra ou má”, afirmou Ferreira Leite. “Se não houver um esclarecimento, evidentemente que vamos concluir que se tratou de publicidade enganosa”, concluiu.