Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Jerónimo diz que "mulheres importantes estão em manifestação e não no congresso do CDS

Jerónimo de Sousa esteve em lisboa a apoiar manifestação de mulheres

Marcos Borga (MB)

O secretário-geral do PCP saudou desta forma o desfile de mulheres pelas ruas da Baixa da capital.

O secretário-geral do PCP afirmou este sábado que "as mulheres importantes" estão na manifestação em Lisboa e não no 27.º Congresso do CDS-PP, em Lamego, ao saudar o desfile pelas ruas da Baixa da capital.

"As mulheres importantes estão aqui hoje, não no congresso do CDS. As mulheres importantes estão aqui a lutar pelos salários, seus direitos e horários, coisas que não passam pelo congresso do CDS", disse Jerónimo de Sousa, questionado pelos jornalistas sobre as declarações da presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, ao Expresso. Numa entrevista publicada na última edição do semanário, Cristas afirma que se vê como primeira-ministra e diz considerar-se melhor do que o novo líder do PSD, Rui Rio.

Jerónimo de Sousa reiterou ainda a defesa por "salários e horários mais dignos e justos", mostrando-se contra a discriminação das mulheres, ao juntar-se à manifestação nacional organizada pelo Movimento Democrático de Mulheres, para assinalar o Dia Internacional da Mulher (8 de março).

"Quando na quarta-feira se discutir a legislação laboral, qual é a posição do CDS?", questionou o líder comunista, contrapondo que "[Isto] é a 'posição das esquerdas' ou é antes uma opção de fundo por políticas que têm a ver com estes anseios e reivindicações das mulheres?". O contraponto tem que ver com o anúncio de Assunção Cristas de que vai forçar as "esquerdas encostadas" a pronunciarem-se sobre o Programa de Estabilidade.

Tal como no passado, o CDS-PP vai assim apresentar uma "resolução negativa" sobre o futuro documento do Governo socialista, a fim de testar a maioria de esquerda no parlamento e obrigar BE, PCP e PEV a votarem ao lado do PS, desconhecendo-se, para já, o posicionamento da nova liderança do PSD.

O secretário-geral comunista recusou também alongar-se num balanço sobre os dois anos de mandato do chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, porque "cada Presidente sempre teve características e estilos próprios".

"O mais importante, para nós, é que assuma aquilo que é o seu juramento mais solene: defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República, naturalmente também com o respeito pela separação de poderes", concluiu o líder do PCP.