Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Assunção Cristas: “Eu vejo-me como primeira-ministra”

Recusa qualquer hipótese de acordos com o PS de Costa, insiste que o CDS irá sozinho às legislativas de 2019 - independentemente das circunstâncias e das sondagens - e assume sem rodeios a sua ambição: em vez de se imaginar vice primeira-ministra de Rio, prefere ver-se como chefe do Governo. Em entrevista ao Expresso, no dia que marca o início do Congresso do CDS em Lamego, Assunção Cristas revela ainda que Adolfo Mesquita Nunes será o coordenador de um programa eleitoral que contará também com Nádia Piazza, presidente da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande

Helena Pereira

Helena Pereira

Editora de Política

Mariana Lima Cunha

texto

Jornalista

Nuno Botelho

Nuno Botelho

foto

Fotojornalista

Leia mais na edição deste sábado do jornal Expresso.

  • Assunção Cristas: “Olho para a tourada como um bailado”

    As juventudes partidárias são sempre mais conservadoras do que os próprios partidos, defende Assunção Cristas, em entrevista ao Expresso. Questionada sobre uma tourada organizada pela Juventude Popular, assegura que gosta do espetáculo mas, se pensar “muito, muito, muito, muito”, é capaz de ter pena dos animais

  • O que Cristas quer no Congresso (e o que vai ouvir)

    No CDS, fala-se do Congresso marcado para sábado e domingo, em Lamego, como um momento de confirmação da líder, Assunção Cristas – o que não significa que não se ouçam por lá ideias diferentes e até haja quem se defina como oposição à liderança atual. Há dois anos, em Gondomar, Cristas era eleita presidente do CDS e levava uma moção que diz continuar válida, pelo que os seus objetivos se manterão neste conclave. Ao mesmo tempo, haverá quem a queira contrariar ou, em certa medida, desafiar, trazendo para cima da mesa temas como o “abandono” da matriz original do partido, a reforma do sistema político ou a posição da líder sobre os temas ditos fraturantes, como a eutanásia ou o aborto