Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Fernando Negrão anuncia candidatura à liderança da bancada do PSD: “Estou preparado para tudo quanto à votação”

Marcos Borga

Deputado social-democrata comunicou a decisão a Rio mas foi por "cortesia", assegura. E diz que não quer "falsos consensos". Se ganhar, Adão Silva será vice-presidente

Fernando Negrão oficializou esta tarde a sua candidatura à liderança do grupo parlamentar do PSD e garantiu que Rui Rio vê o seu avanço "com agrado", embora assegure ter comunicado a decisão ao novo líder só depois de estar tomada e por "cortesia". Sobre apoios e votos, uma resposta curta: "Estou preparado para tudo".

A maior parte da breve conferência de imprensa, marcada para as 16h30, foi dominada por perguntas sobre o envolvimento de Rio no processo de decisão, até porque Negrão apoiou Santana Lopes às eleições para a liderança no PSD. E Negrão desenhou a cronologia da sua decisão: teve uma conversa com Rio sobre o grupo parlamentar - mas não sobre se Hugo Soares, eleito no verão, deveria continuar a liderá-lo, assegurou -, apresentou a sua candidatura à bancada e depois comunicou a decisão a Rio, que a viu com bons olhos.

Negrão, que é atualmente presidente da Comissão Eventual para o Reforço da Transparência em cargos públicos, frisou por várias vezes que o cargo em questão é um cargo de "cooordenação" do trabalho dos deputados, que não tem por isso uma posição política associada e que a sua experiência como deputado - nove anos - o leva a crer que tem 'condições' para liderar o grupo, com "humildade democrática". A prioridade é "articular com a direção do partido" e "criar uma direção da bancada que seja coesa e determinada no seu trabalho político".

Uma novidade saiu da conferência de imprensa: o primeiro vice-presidente de Negrão será Adão Silva, uma das hipóteses que vinham sendo postas em cima da mesa por ser dos poucos nomes da direção da bancada que apoiaram Rio. Isto se Negrão, que diz "esperar ter os votos necessários" mas não almejar a um "consenso de 100%" nem querer "obrigar as pessoas" a votarem em si, ganhar as eleições, convocadas pelo atual líder, Hugo Soares, e marcadas para a próxima quinta-feira. "Estou preparado para tudo quanto à votação".