Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Maioria de esquerda chumba pacote legislativo do CDS para proteção dos idosos

Ana baião

“Caiu a máscara a esta maioria. Esta maioria não é efetivamente para os mais velhos”, critica o CDS

A maioria de esquerda chumbou esta sexta-feira o pacote legislativo de proteção aos idosos apresentado pelo CDS-PP, incluindo a criminalização dos maus-tratos, levando os centristas a considerar que “caiu a máscara” aos partidos que apoiam o Governo.

“Caiu a máscara a esta maioria. Esta maioria não é efetivamente para os mais velhos”, declarou a deputada do CDS-PP Vânia Dias da Silva aos jornalistas, após as votações no parlamento.
Para a deputada, “esta maioria não está minimamente sensibilizada para um problema de um país onde, por dia, três idosos são maltratados e violentados”.

Vânia Dias da Silva vincou a argumentação segundo a qual os centristas pretendiam criar um “crime específico”, tal como já acontece com a violência doméstica e a violência no namoro.

A maioria de esquerda chumbou a criminalização de condutas que atentam contra os “direitos da pessoa idosa”, a indignidade sucessória dos condenados por crimes de abandono e omissão de obrigação de alimentos, bem como a recomendação para a criação de um estatuto do cuidador informal.

A criminalização da violência contra os idosos foi chumbada com os votos a favor do PSD, CDS-PP e PAN e votos contra dos restantes partidos. A mesma votação ditou o chumbo da proposta para a indignidade sucessória e da recomendação para o estatuto do cuidador informal.

As propostas apresentadas pelo PAN, de criminalização de “novas condutas praticadas contra pessoas especialmente vulneráveis” e de um regime especial para proteção de idosos em matéria de defesa do consumidor, foram igualmente chumbadas.

As iniciativas do PAN foram chumbadas com os votos a favor do proponente e do CDS-PP, abstenção do PSD e o voto contra das restantes bancadas.

Entre o pacote legislativo do CDS-PP, a única proposta aprovada foi uma recomendação ao Governo para que estude a criação de uma estrutura que dê “resposta integral e transversal a pessoas em situação de risco ou de vulnerabilidade, designadamente em matéria de promoção e proteção dos direitos das pessoas idosas”.

Esta recomendação foi aprovada com os votos a favor de PSD, CDS-PP, PAN e do deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira.