Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ferro Rodrigues "responderá à Altice, mas não via comunicação social"

LUSA

Presidente da Assembleia da República já recebeu a carta da Altice a pedir uma audiência para "expor a sua indignação" pelas críticas do BE e pelo projeto de lei para nacionalizar a propriedade e gestão da rede básica e da prestação do serviço universal de telecomunicações

O presidente da Assembleia da República já recebeu a carta que a Altice anunciou este domingo que iria enviar a pedir uma audiência a Ferro Rodrigues, para "expor a sua indignação" pelo conteúdo de uma notícia publicada pelo Expresso na edição de sábado sobre um projeto de lei do BE para nacionalizar a propriedade e gestão da rede básica e da prestação do serviço universal de telecomunicações, atualmente na posse da Altice.

A informação foi confirmada por fonte oficial do gabinete do presidente da AR, que recusou, no entanto, antecipar a resposta a esse pedido. "O gabinete do Presidente responderá à Altice mas não via comunicação social", disse apenas.

No artigo publicado este sábado pelo Expresso, o deputado do Bloco de Esquerda Heitor de Sousa antecipava o projeto de lei que o BE estava a preparar - e que anunciou formalmente esta terça-feira - e deixou críticas à Altice pelas falhas do SIRESP e no sinal da TDT em várias zonas do país, nomeadamente nas que foram afetadas pelos incêndios de outubro.

Apesar de a Altice ter defendido, no comunicado em que anunciou que iria pedir uma audiência a Ferro Rodrigues, que as declarações de Heitor de Sousa no artigo do Expresso eram "de uma enorme gravidade pelo vasto conjunto de factos e informações falsas que invoca", o deputado bloquista reiterou esta terça-feira em conferência de imprensa as críticas do BE à Altice.

"O que estamos a fazer é coincidente com o relatório da Anacom, que diz que a PT não tem tido competência para assegurar a rede básica. A PT ainda não consegue assegurar serviços fixos em territórios atingidos pelos incêndios de outubro. Se calhar a Altice deve dedicar-se ao móvel e deixar o resto para o Estado", insistiu.