Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Portugal paga 800 milhões ao FMI na quarta e diz que não há pressa para pagar o resto

OLIVIER HOSLET/EPA

Tranche mais cara do empréstimo do FMI fica paga com a transferência que Portugal fará na quarta-feira. Mourinho Félix diz que não há pressa para pagar os 4,5mil milhões que restam

Sentado na cadeira de Portugal, foi o Secretário de Estado adjunto, Ricardo Mourinho Félix, a informar os ministros das Finanças da Moeda Única do pagamento que Portugal vai fazer na próxima quarta-feira ao Fundo Monetário Internacional.

“Tive oportunidade de informar os meus colegas de que Portugal ia fazer o pagamento dos 800 milhões de euros", adiantou no final do Eurogrupo aos jornalistas, referindo que o montante corresponde à parte do empréstimo que tinha "condições menos favoráveis", e que estava ainda por amortizar.

A autorização "para pagar a totalidade do que era a tranche mais cara do empréstimo ao FMI" já tinha sido dada pelos parceiros europeus - principais credores de Portugal - no ano passado. Faltava fazer a transferência desta última parcela de 800 milhões de euros.

Mourinho Félix diz que se trata de "um marco" importante. Portugal continua a ter um empréstimo com as Instituições Europeias e outro com o FMI, "mas a uma taxa muito mais reduzida". Segundo o Secretário de Estado Adjunto, a pagamento desta semana contribuiu para robustecer "as contas públicas portuguesas" e beneficiar "a consolidação orçamental e a redução da dívida pública".

Ficam agora por pagar 4,5 mil milhões de euros à instituição liderada por Christine Lagarde. Mas a uma taxa de juro de cerca de 1%, que é mais reduzida do que a aplicada às tranches anteriores. Mourinho Félix defende, por isso, que não há pressa em pagar o que resta do empréstimo ao Fundo durante o ano de 2018.

"O objetivo relativamente a esse valor, tal como os pagamentos às instituições europeias, é enquadrá-lo naquilo que é o processo de gestão da dívida pública", explicou Mourinho Félix.

"A partir de agora temos dois empréstimos com taxas de juros que são ainda entendidas como favoráveis face àquilo a que Portugal se financia no mercado. E não há nenhuma razão, nem nenhuma pressa para fazer esses pagamentos", continua, esclarecendo que a gestão será feita comparando o juro da dívida às várias instituições e aquilo que é o custo do financiamento em mercado, "num processo prudente" e de forma "a dar confiança aos investidores em dívida portuguesa".