Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Sondagem. 58,8% dos portugueses acham que Rio não tem hipóteses de derrotar Costa

josé carlos carvalho

Barómetro da Eurosondagem indica que portugueses acreditam num PSD mais combativo agora que Rio vai assumir a liderança. Mas ganhar as eleições já é outra história

A maioria dos portugueses não acredita que Rui Rio possa vencer as eleições legislativas do próximo ano contra António Costa. É este o resultado do barómetro da Eurosondagem para o Expresso e a SIC, que indica que 58,8% dos inquiridos não acreditam na hipótese de Rio se tornar o próximo-primeiro ministro português (pelo menos, se a escolha for entre Rio e o atual líder do Governo).

O estudo de opinião foi conduzido entre os dias 14 e 17 de janeiro, ou seja, logo após as eleições em que Rio conquistou a liderança do PSD e depois de uma longa campanha interna. Mas os resultados da sondagem indicam que Rio não conseguiu ir além das fronteiras do partido e convencer o eleitorado português, uma vez que só 29,5% dos inquiridos consideram que poderá ganhar a António Costa e acabar com a governação socialista já no próximo ano.

As diferenças entre Rio e o presidente cessante do PSD, Passos Coelho - que esta semana conversou com o seu sucessor para lhe passar a pasta, embora Rio só passe a ser oficialmente líder dos sociais democratas após o congresso do partido, entre 16 e 18 de fevereiro - também foram objeto deste estudo e a conclusão é esta: os inquiridos acreditam que o partido, liderado pelo antigo presidente da Câmara do Porto, não será agora menos combativo. Pelo contrário, 36,2% acham que será agora mais combativo e 36,1% consideram que o estilo será o mesmo.

FICHA TÉCNICA

Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem S.A. para o Expresso e SIC, de 14 a 17 de Janeiro de 2018. Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região: Norte (20,4%) — A.M. do Porto (13,7%); Centro (29,2% — A.M. de Lisboa (27,3%) e Sul (9,4%), num total de 1018 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1158 tentativas de entrevistas e 169 (14,2%) não aceitaram colaborar neste estudo. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma resultou, em termos de sexo: feminino — 50,9%; masculino — 49,1% e, no que concerne à faixa etária, dos 18 aos 30 anos — 18,5%; dos 31 aos 59 — 50,3%; com 60 anos ou mais — 31,2%. O erro máximo da amostra é de 3,07%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.