Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Rui Rio: “Não vão contar comigo nunca” para campanha de ataques pessoais

Candidato à liderança do PSD faz apreciação negativa do debate, mas garante que não irá mudar de estratégia: “Vou, apesar de haver muitas pessoas que me pedem 'faz-lhe o mesmo', e não é difícil fazer o mesmo” de Santana, afirma Rui Rio

O candidato à liderança do PSD Rui Rio fez esta sexta-feira uma análise "mais negativa do que positiva" do primeiro debate com Santana Lopes, mas assegurou que irá manter a sua estratégia para não desprestigiar o partido.

"Não vão contar comigo nunca e vou resistir até ao limite de transformar esta campanha numa coisa mais baixa de ataques pessoais que só vão contribuir para desprestigiar mais ainda quem anda na política", afirmou Rui Rio, num jantar com militantes em Terrugem (Sintra), no distrito de Lisboa.

"Vivemos uma época de um certo desprestígio da classe política, tenho consciência de que, se na primeira parte do debate tenho entrado da mesma forma que o meu adversário, teria sido o descalabro em termos de prestígio, teria prejudicado o partido e teria desrespeitado até o cargo a que ambos nos estamos a candidatar", acrescentou.

O candidato e antigo autarca do Porto disse esperar que Pedro Santana Lopes "não volte a cair no erro" de entrar num debate que classificou de "ataques pessoais", de "meias verdades e até mentiras".

"Todas as meias verdades são piores que mentiras", afirmou, sublinhando que também sabe fazer "este tipo de truques" mas não entrará por esse caminho nos próximos debates, marcados para dia 10, na TVI, e dia 11, organizado em conjunto por Antena Um e TSF.

Questionado se irá manter a sua estratégia, Rio respondeu afirmativamente: "Vou, apesar de haver muitas pessoas que me pedem 'faz-lhe o mesmo', e não é difícil fazer o mesmo".

"Os ataques pessoais desprestigiam ambas as partes. Imagine que alimentava isto no próximo debate, onde ficava o prestígio do PSD? Correu bem ao PS que trocou de líder porque ganhava por poucochinho e acabou a perder as eleições, é este o exemplo que devemos seguir? Eu acho que não", afirmou, referindo-se à disputa interna entre António José Seguro e António Costa.

Sobre quais os temas que considera essenciais para os próximos debates, Rio apontou o futuro do PSD e do país mas admitiu que não considera ser esse o formato ideal para esclarecer os militantes e os portugueses.

"Com toda a sinceridade, os esclarecimentos fazem-se através de entrevistas e sessões com militantes, o debate tende sempre a um certo espetáculo. Ainda assim, como é um espetáculo que faz parte das eleições, vamos todos ao debate", afirmou.

O primeiro debate entre os candidatos à liderança do PSD decorreu na quinta-feira à noite em tom duro, com constantes referências ao passado, com Santana Lopes a desafiar Rui Rio a esclarecer a que "trapalhadas" se referiu numa entrevista sobre o seu mandato como primeiro-ministro e a acusá-lo de ser siamês de António Costa e de atacar mais o partido do que o PS e o Governo.

Na resposta, Rui Rio voltou criticar o desempenho de Santana Lopes à frente do Governo entre 2004 e 2005: "O que estamos a escolher é o líder do PSD cujo objetivo é ser primeiro-ministro do pais. O dr. Pedro Santana Lopes teve um exercício como primeiro-ministro que correu manifestamente mal, se o candidato a primeiro-ministro for Santana Lopes todas essas fragilidades voltam ao de cima", afirmou.

  • Santana: “Acho que vou ter condições para fazer o que não pude”

    Animado com o debate televisivo com Rui Rio mas disposto a evitar lavar mais roupa suja, Pedro Santana Lopes explica, em entrevista ao Expresso, a rutura de "modernidade" que quer fazer se chegar a líder do PSD. O candidato fala de Rio, de Costa, de Marcelo, do Montepio e de si próprio. "Desta vez", diz, "vou ter condições para fazer o que não pude fazer antes".