Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Centeno e candidato luxemburguês disputam 2a volta do Eurogrupo

Mário Centeno e os seus homólogos candidatos à presidência do Eurogrupo: Peter Kazimir (Eslováquia), Pierre Gramegna (Luxemburgo) Rimantas Sadzius (Letónia)

OLIVIER HOSLET / EPA

Nenhum dos quatro candidatos conseguiu 10 votos entre os 19 ministros das Finanças da zona euro. Centeno só conseguiu oito, apurou o Expresso. Segunda volta começa dentro de momentos, já sem os candidatos Letónia e Eslováquia, que desistiram da corrida

A primeira votação dos candidatos à presidência do Eurogrupo terminou sem que nenhum dos ministros conseguisse obter uma maioria simples, isto é, 10 votos entre os 19 ministros das Finanças da zona euro. Mário Centeno, ministro das Finanças português, obteve oito votos, segundo apurou o Expresso.

Na segunda volta, que decorrerá dentro de momentos, depois de uma breve pausa nos trabalhos, já não vão participar a candidata da Letónia, Dana Reizniece-Ozola, e o eslovaco Peter Kazimir, que retiraram a sua candidatura, confirmaram fontes do Eurogrupo ao Expresso.

Centeno parte como favorito na corrida à liderança do Eurogrupo - que disputa agora apenas com o luxemburguês Pierre Gramegna - depois de ter conseguido reunir um grande número de apoios, entre eles o da Alemanha, França, Itália e Espanha.

Ao início desta tarde, Jeroen Dijssembloem já tinha dado o ministro das Finanças português como seu sucessor, corrigindo imediatamente depois a sua declaração. À entrada para a reunião do Eurogrupo, em Bruxelas, onde viria a ser escolhido o novo líder, o ex-ministro das Finanças holandês afirmou: “Sou presidente do Eurogrupo até 12 de janeiro e Mário Centeno sê-lo-á a 13”. Percebendo o deslize, corrigiu logo de seguida: “Eu disse Mário Centeno? Obviamente, não sei quem vai ganhar. Aparentemente, o nome dele estava na minha cabeça. Façam-me um favor; não me citem sobre este tema”.

O processo de eleição prevê a realização de quantas voltas sejam necessárias até ser alcançada uma maioria simples por um dos candidatos. Ou seja, pelo menos 10 votos entre os 19 membros da área do euro.

Também esta segunda-feira, à entrada para a reunião do Eurogrupo, em Bruxelas, Centeno afirmou que o objetivo para a eleição do novo presidente “é obviamente ganhar” e, se possível, à primeira volta. “O objetivo em qualquer eleição em que nos colocamos é obviamente ganhar. Fizemos o que tínhamos que fazer dentro do grupo dos países com governos sociais-democratas (socialistas), depois conversando de forma muito aberta com os outros grupos políticos”, afirmou então o ministro português.

No exterior da sala onde a votação decorre, o champanhe para a celebração final está pronto a ser servido a qualquer momento

No exterior da sala onde a votação decorre, o champanhe para a celebração final está pronto a ser servido a qualquer momento

DR