Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Há um novo ciclo na coabitação: “Esta é a última oportunidade”

Marcelo perdeu a paciência. Exige uma relegitimação do Governo. Pede desculpa pela fragilidade dos poderes públicos. Diz que usará “todos os (seus) poderes” para evitar essa fragilidade. Quer uma remodelação. E deixa uma direta a Costa: “Quem não entender a humildade cívica não entende nada”. É o primeiro embate Belém/S. Bento

"Esta é a última oportunidade", disse Marcelo Rebelo de Sousa sobre a urgência de se "levar a sério a floresta". Mas o tom de impaciência do Presidente da República foi, percebeu-se, bem mais abrangente. Diretamente de Oliveira do Hospital, de onde escolheu falar ao país sobre a segunda tragédia com fogos em quatro meses e a soma de mais de 100 mortos, Marcelo foi claro: o CDS teve uma boa ideia e o Parlamento deve ser chamado a confirmar se o Governo tem ou não condições para continuar.

"Se há, na Assembleia da República, quem questione a atual capacidade do Governo para realizar as mudanças inadiáveis e indispensáveis então que, nos termos da Constituição, esperemos que a Assembleia diga soberanamente se quer ou não manter este Governo”. Eis Marcelo a puxar pela moção de censura anunciada por Assunção Cristas ao Governo de Costa e a dar cobertura à exigência de que seja o Parlamento a confirmar se o Executivo das esquerdas tem condições para continuar em funções.

Se sim, o Presidente espera uma remodelação. "Abrir um novo ciclo obrigará o Governo a ponderar o quê, quem, quando e como melhor serve esse ciclo”. O segredo está no "quem". Marcelo Rebelo de Sousa deixa a ministra em xeque.

Mas o tiro direto para o primeiro-ministro vem na crítica que o Presidente deixou em Oliveira do Hospital à forma como António Costa geriu esta segunda tragédia: “Olhar para os dramas de pessoas com carne e osso, com a distância das teorias, dos sistemas ou das estruturas, por muito necessário que possa ser, é passar ao lado do fundamental na vida e na política”, afirmou o PR. Com um aviso: "Quem não perceber a humildade cívica não percebeu nada".

Colocando-se claramente em contramão com António Costa, que não pediu desculpa, não foi claro a assumir erros e criticou os que esperam mudanças "mágicas" neste capítulo, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu ser "justificável pedir desculpa". E afirmou: "Por muito que a frieza destes tempos cheia de números e chavões políticos convidem a banalizar, estes 100 mortos não mais sairão do meu pensamento, com um peso enorme na minha consciência como no meu mandato presidencial”.

"Mais de 100 mortos em menos de 4 meses são uma interpelação política". Marcelo interpela a geringonça. Diz que é preciso “romper com o que motivou a fragilidade, o desalento ou a descrença”. E avisa que "quem não entenda isto, não entendeu nada do essencial do que se passou no nosso país”.

O Presidente assumiu por último um compromisso: "Mudar de vida neste domínio é um dos testes decisivos” do seu mandato. E Marcelo garante que se empenhará nesse objetivo até ao fim e que usará "todos os poderes" para combater as "fragilidades" do Estado. Do Governo, o Presidente espera que "tire todas, mas mesmo todas as consequências" à luz dos relatórios técnicos sobre o que se passou.

Marcelo Rebelo de Sousa parte sexta-feira para o terreno, por onde andará durante todo o fim de semana. E explicou numa nota oficial na página da Presidência que se reservou dois dias para não perturbar as operações de comando, devido às críticas da comissão técnica independente aos políticos que foram para o teatro das operações.

Ao que se vê, os dois dias serviram para o PR maturar o mais duro discurso do seu mandato, em clara oposição ao tom em que o Governo geriu a tragédia do fim de semana. Um novo ciclo na coabitação?