Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Miguel Relvas: “Voto Pedro Santana Lopes”

Miguel Relvas deu esta quinta-feira a primeira entrevista televisiva desde que abandonou a vida política. O antigo ministro de Pedro Passos Coelho fala da luta interna pela liderança do PSD e, entre várias críticas a Rui Rio, assume que apoia Pedro Santana Lopes

O antigo-ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, defendeu esta noite que o PSD “necessita de ser recriado” e que o próximo líder tem que ter a capacidade de unir o partido, após a derrota nas eleições autárquicas. Sem rodeios, admitiu que apoia Pedro Santana Lopes na corrida à liderança dos sociais-democratas.

“A minha intuição vai no sentido de entender que Santana terá um resultado ganhador e positivo. Naturalmente que votarei em Santana Lopes”, declarou Miguel Relvas, em entrevista à SIC Notícias.

Segundo o ex-governante, Passos Coelho enquanto líder da oposição foi muito penalizado pelas políticas de austeridade do seu Governo e o “PSD tem sido castigado nomeadamente pelos eleitores urbanos acima dos 55 anos”, devido ao corte das pensões. “O Passos Coelho pós-governo foi muito marcado pelas condições em que teve de governar. Mas foi um grande primeiro-ministro e tem todas as condições para regressar ao partido, estar na vida política”, sustentou.

Sublinhou ainda que o PSD não é uma muleta do PS e que o próximo líder deverá dizer não ao bloco central. “O CDS foi agora claro ao dizer 'só fazemos coligações com o PSD' e o PSD também precisa de ser claro. (...) Eu quero ver um partido suficientemente agressivo. O que entendo é que quero ver o líder a defender uma reforma do sistema político mais ampla”, acrescentou.

Questionado sobre a relação entre o Presidente da República e o PS, Relvas considerou que não existe um apoio ao Governo por parte de Marcelo Rebelo de Sousa, uma vez que um chefe de Estado “não pode ter filiação partidária, nem estados de alma”. Mas reconhece que é natural o PR gostar de ter o apoio do PS na sua reeleiçao, tal como sucedeu com Mário Soares em relação a Cavaco Silva.

Sobre a anulação da sua licenciatura, Miguel Relvas frisou que não quis recorrer em tribunal e dá o caso como encerrado. “Não é importante na minha vida. Nunca virei as costas aos meus problemas (...) mas hoje tenho mais tempo para as minhas filhas e para minha família. Não tenho ambição de regressar à vida política ativa, mas tenho sim responsabilidade de ajudar o meu partido”, concluiu.

(Atualizada às 23h41)