Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Costa rejeita responsabilidade política sobre Tancos

Marcos Borga

O primeiro-ministro reagiu a uma nova investida, desta vez do CDS, sobre o desaparecimento de armamento militar. Pausadamente, esclareceu: Tancos “não é da responsabilidade política do Governo”

Foi Assunção Cristas a recuperar, para o debate parlamentar, a questão do roubo de material de guerra em Tancos. António Costa assumiu que "o Governo fez o que lhe competia fazer" e voltou a tentar encerrar a matéria que as bancadas da direita usaram como tema do debate quinzenal.

A líder centrista queria explicações. Costa recusou. "Quanto ao mais que a sua curiosidade suscita, resta-nos confiar na justiça em que tenho total confiança".

O tom aqueceu de novo. Assunção Cristas considerou "lamentável que o primeiro ministro fale em curiosidade perante o apuramento de responsabilidades" e criticou Costa por "chutar sempre para cima, para baixa ou para o lado". "Quando as notícias são más a culpa nunca é sua, deve ser do cabo de dia", concluiu.

O primeiro ministro reagiu. Criticou a "irresponsabilidade política" da direita que "não teve rebuço de por em causa mesmo a nossas Forças Armadas para fazer ataque político" e fechou o assunto com a declaração que Tancos e o assalto "não é da responsabilidade política do Governo".