Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Passos: “O facto de não me recandidatar não significa que me vá calar para sempre”

No anúncio de que não será candidato a novo mandato, Passos reconheceu que não sai “ileso” do resultado “mau e pesado” das autárquicas. Avisa que teria apoios para vencer as próximas diretas, mas isso seria interpretado como estando agarrado ao lugar e ao passado. “A minha obstinação não é com os lugares”

Filipe Santos Costa

Filipe Santos Costa

Texto

Jornalista da secção Política

José Carlos Carvalho

José Carlos Carvalho

Fotos

Fotojornalista

“Sou muito obstinado nas minhas convicções mas não em relação lugares", disse Pedro Passos Coelho no discurso com que justificou, esta terça-feira à noite, a decisão de não se candidatar a um novo mandato como presidente do PSD. Falando na abertura do Conselho Nacional marcado para analisar os resultados das eleições autárquicas, uma intervenção excecionalmente aberta à comunicação social, Passos explicou que, se ficasse - e garantiu que teria apoios para se recandidatar e ganhar - isso não resolveria "o principal problema": "Se eu permanecesse vitorioso como líder do PSD, em vez de estar a construir uma alternativa ao governo, estaria em permanência a combater o preconceito e a ideia feita de estar agarrado poder no partido".

Na sua intervenção, de quase meia hora, Passos Coelho apresentou sempre a sua decisão, não como a consequência do esgotamento da sua liderança ou de erros cometidos, mas como a melhor forma de preservar o partido. "Na avaliação das circunstâncias políticas na sequência deste resultado, a afirmação da nova liderança do PSD terá melhores possibilidades de progressão e sucesso do que uma que eu pudesse encabeçar."

José Carlos Carvalho

"Ficar - disse Passos - seria oferecer com facilidade a caricatura de que estamos agarrados ao poder interno, eventualmente explorando a gratidão junto dos militantes pelas lutas e pelos resultados passados. (...) Estaríamos a resistir às coisas em vez de estarmos a construir", constatou. "Ficaríamos ainda mais à mercê da injustíssima acusação de que estaríamos, afinal, agarrados ao passado e a resistir à erosão do tempo."

A conclusão da reflexão feita por Passos foi "a decisão que faz sentido": "Nestas circunstâncias do país, os resultados autárquicos indicam que temos de encontrar um caminho diferente para o futuro".

"A nossa ação política precisa de ser ambiciosa, o país precisa dela, e eu não estou em condições de oferecer essa perspetiva ao PSD", reconheceu Passos.

Apesar de sair de cena, Passos deixou uma garantia que lhe mereceu o primeiro aplauso da noite, quando já falava há vinte minutos: "O facto de não me recandidatar não significa que me vá calar para sempre". Ao que acrescentou: "Não ficarei cá a rondar nem a assombrar."

Surpreendido com resultado "mau e pesado"

Na análise que fez dos números de domingo, Passos começou por confessar a sua "surpresa com o resultado das eleições". "Confesso que não foi um resultado que eu esperasse." Apesar disso, Passos temperou o choque: "Pode, dois dias depois, não parecer para o PSD tao pesado quanto se afigurou no domingo à noite. Pode achar-se que, tendo igualado o número de votos de 2013, possa não ter sido tão mau quanto se pintou". Lembrou até que o PCP caiu muito mais ("foram praticamente varridos") e o CDS "não terá tido um resultado tão ambicioso quanto se procurou pintar" (apesar de ter feito vénia ao resultado de Cristas em Lisboa). Mas "isso é um problema deles", concluiu. O resultado do PSD "foi pesado e isso é iniludível". "Foi mau e foi pesado", insistiu.

Apesar de ser um resultado feito de muitas eleições locais, "tem leitura e significado nacional", e por isso "estes resultados também responsabilizam e penalizam a direção Nacional".

Luís Montenegro

Luís Montenegro

José carlos carvalho

Perante uma plateia onde se destacavam Luís Montenegro, Hugo Soares e Paulo Rangel, Passos destacou estes dois como peças essenciais no período de transição que o partido vai viver, enquanto líder parlamentar e chefe da delegação do PSD no Parlamento Europeu, respetivamente. "Com Hugo Soares e Paulo Rangel aproveitaremos bem estes tempos para mostrar que o PSD é um pilar de estabilidade e de construção do futuro."

O ainda líder do PSD admitiu que o calendário que atava definido para as diretas e congresso poderá ser demasiado longo, a admitiu que a eleição do próximo líder poderá ser já em dezembro, e não no final de janeiro. Esta noite será marcado novo Conselho Nacional para dia 9, para a marcação das diretas e do congresso.