Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Jerónimo acompanha com “preocupação” compra da Media Capital pela Altice

“Naturalmente que vejo [este negócio] com preocupação, tendo em conta que a Altice tomou conta da PT resultado de uma privatização escandalosa, inaceitável, de uma empresa estratégica para o nosso país”, afirmou o líder comunista

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, mostrou-se este sábado preocupado com a possível compra da Media Capital pela Altice, que depois da compra da PT, vê como “uma concentração monopolista que não augura nada de bom”.

“Naturalmente que vejo [este negócio] com preocupação, tendo em conta que a Altice tomou conta da PT, resultado de uma privatização escandalosa, inaceitável, de uma empresa estratégica para o nosso país”, afirmou.

Numa visita a Real, uma freguesia do concelho de Penalva do Castelo, de maioria CDU, Jerónimo de Sousa alertou que a compra da Media Capital pela Altice não augura nada de bom.

“Não contente por ficar só com a tecnologia, também salta para a informação, num controlo monopolista, não só da tecnologia, da PT, mas também de um canal de TV com grande audiência. Esta concentração monopolista não augura nada de bom”, acrescentou.

Jerónimo de Sousa alertou para aquilo que considera ser a redução da PT “até ao osso” por parte da Altice, “numa tentativa clara de eliminar cerca de três mil postos de trabalho”.

“Isto é de uma gravidade imensa, que deve unir todos aqueles que se batem pela defesa do interesse nacional: em primeiro lugar, dos trabalhadores, da sua luta, mas também no plano político, não permitindo que a Altice faça qualquer leitura criativa do Código do Trabalho, porque não tem possibilidade de fazer aquilo que tende a fazer, que é despedir de uma forma direta ou indireta milhares de trabalhadores”, apontou.

Aos jornalistas, frisou a importância de serem criados mecanismos para que tal não aconteça, admitindo mesmo que se analise se há necessidade de voltar a haver controlo público na PT, que vê como estratégica.

“Esta é uma matéria onde não se pode ficar em cima do muro. Tendo em conta a dimensão, o interesse nacional e o impacto social deste processo em curso, ninguém pode lavar as mãos ou apenas ficar zangado com a Altice”, concluiu.