Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Cristas diz que comentário sobre Altice foi “indigno de um primeiro-ministro”

Nuno André Ferreira

“Quem quer ser um governante de primeira linha, quem quer ser um primeiro-ministro sério e respeitado, quem quer ser um estadista, não faz os comentários que fez no parlamento e da forma como fez”, afirmou a líder do CDS-PP

A líder do CDS qualificou este sábado de “indigno de um primeiro-ministro” o comentário de António Costa, na quarta-feira, sobre o futuro da PT, agora propriedade da multinacional Altice.

“Quem quer ser um governante de primeira linha, quem quer ser um primeiro-ministro sério e respeitado, quem quer ser um estadista, não faz os comentários que fez no parlamento e da forma como fez”, afirmou Assunção Cristas, à margem de uma ação de pré-campanha na freguesia de Marvila, em Lisboa. “É indigno de um primeiro-ministro”, sublinhou.

Na quarta-feira, durante o debate do estado da Nação, o primeiro-ministro manifestou-se apreensivo com o futuro da PT, agora propriedade da multinacional Altice, temendo mesmo pelo futuro de postos de trabalho e apontando a uma das operadoras “falhas graves” no incêndio de Pedrógão Grande.

“Receio bastante que a forma irresponsável como foi feita aquela privatização possa dar origem a um novo caso Cimpor, com um novo desmembramento que ponha não só em causa os postos de trabalho, como o futuro da empresa”, declarou o primeiro-ministro.

Para a líder do CDS e candidata à câmara de Lisboa, é preciso “verificar se a legislação é cumprida e isso cabe ao Governo e às instâncias judiciais”.

“Se entende que há alguma coisa em que o Governo deve atuar, que o diga de forma série e consequente”, acrescentou.