Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

CDS-PP: “Pouco a pouco”, Governo está “a desfazer-se e a deixar cair as peças”

ANTONIO COTRIM / LUSA

Líder parlamentar Nuno Magalhães lembra que o CDS-PP “tinha razão” quando exigiu as demissões dos secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria. Saída dos ministros da Defesa e da Administração Interna é “inevitável”, defendeu o deputado

O CDS-PP defendeu este domingo que “teve razão” quando exigiu as demissões dos secretários de Estado da Internacionalização, dos Assuntos Fiscais e da Indústria e considerou inevitável a saída dos ministros da Defesa e da Administração Interna.

“Há quase um ano o CDS disse que estes secretários de Estado não tinham condições políticas objetivas para permanecer. Um ano depois o CDS teve razão, foi o primeiro a dizê-lo e com um ano de atraso a realidade veio dar uma lição ao primeiro-ministro”, afirmou o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães.

Para o deputado do CDS-PP, “é sempre preferível tirar consequências do que a lealdade político-partidária”.
“Lendo o comunicado do primeiro-ministro [a aceitar os pedidos de exoneração], digo-lhe 'bem-vindo ao país à realidade'. O Governo está a desfazer-se e a deixar cair as peças, pouco a pouco”, disse.

O líder parlamentar do CDS-PP considerou “inevitável” que a remodelação governamental vá mais longe e abranja os “casos mais graves” dos ministros da Defesa e da Administração Interna, não por uma “questão de oportunidade” mas “por uma questão de necessidade”. “O país precisa de ter nos órgãos de soberania ministros que comandem as Forças Armadas e as forças de segurança, que sejam ministros”, sustentou.

Os secretários de Estado da Internacionalização, Jorge Costa Oliveira, dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, e da Indústria, João Vasconcelos, solicitaram ao primeiro-ministro a exoneração de funções após terem pedido ao Ministério Público a sua constituição como arguidos no inquérito relativo às viagens para assistir a jogos do Euro2016. “Os signatários solicitaram ao primeiro-ministro a exoneração das funções que desempenham”, afirmaram, em comunicado conjunto enviado à Lusa. A decisão é justificada com a intenção de não prejudicar o Governo.

Os três governantes referem, na mesma nota, que decidiram “exercer o seu direito de requerer ao Ministério Público a sua constituição como arguidos”, depois de terem tido conhecimento de que “várias pessoas foram ouvidas pelo Ministério Público e constituídas como arguidas no âmbito de um processo inquérito relativo às viagens organizadas pelo patrocinador oficial da seleção portuguesa de futebol, durante o campeonato da Europa de 2016”.