Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Engenheiro catalão e engenheiro militar propostos por PS e PSD para a comissão técnica dos incêndios

Comissão será composta por 12 peritos independentes, seis dos quais serão escolhidos pelo Conselho de Reitores

Já há dois nomes propostos para a comissão técnica independente sobre incêndios - um deles proposto pelo PS e o outro pelo PSD, que surgem já depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter promulgado a criação da comissão, esta quinta-feira.

O PS propôs ao presidente da Assembleia da República a designação do catalão Marc Castellnou Ribau para membro da comissão. Segundo o currículo divulgado pela bancada socialista, Marc Castellnou Ribau é considerado um conceituado engenheiro florestal da Universidade de Lérida. É chefe da área florestal do Corpo de Bombeiros da Generalitat [Governo] da Catalunha e participou já em 22 campanhas de incêndios florestais, tendo experiência em operações em Espanha, Portugal, França, Reino Unido, Itália, Grécia, Estados Unidos e Argentina.

O PSD propôs o engenheiro militar tenente-general Frutuoso Pires Mateus, membro efetivo da Ordem dos Engenheiros e doutor em Aplicações, Planeamento e Estudos Militares pela Escola de Comando e Estado Maior do Brasil, depois de ter completado o curso de Engenharia Militar para o Exército, em 1962. Natural de Alcains (Castelo Branco), nascido em 1938, foi diretor do Serviço de Obras do Exército e professor no Instituto de Altos Estudos Militares. Comandou a Escola Prática de Engenharia nos anos 80, entre 1999 e 2000 foi Inspetor-Geral do Exército, presidiu ao Instituto de Ação Social das Forças Armadas (2001-2004) e foi consultor de Júlio Castro Caldas (2000/2001) quando este era ministro da Defesa Nacional de um Governo socialista liderado por António Guterres.

Entre as várias condecorações que recebeu, as mais recentes são a Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis, em 2002, a Grã-Cruz da Medalha de Mérito Militar, em 2000, e o Grau de Comendador da Ordem de Mérito Militar do Exército do Brasil, em 1999.

Executou diversos planos de urbanização, em Portugal e em Cabo Verde, e, segundo o "Diário de Notícias", foi responsável pelo projeto e construção dos paióis de Tancos, recentemente alvo de um furto de material de guerra.

A constituição da comissão técnica independente será composta por 12 especialistas, seis dos quais serão designados pelo presidente da Assembleia, ouvidos os grupos parlamentares, e outros seis pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP). O presidente da comissão será indicado entre os seis especialistas designados pelos reitores.

A comissão foi criada para apurar os factos relativos à tragédia resultante do incêndio de Pedrógão Grande, da qual resultaram 64 mortos, foi aprovada pela Assembleia da República no dia 30 de junho.