Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Santos Silva não fala em nome de Costa para dar confiança a Azeredo e Constança

José Carlos Carvalho

“Os ministros não têm a absoluta nem a relativa confiança do Governo. O Governo como tal responde perante a Assembleia da República, os membros do Governo respondem perante o primeiro-ministro”, respondeu o ministro aos jornalistas

Carlos Abreu

Jornalista

O futuro dos ministros da Defesa e da Administração Interna está nas mãos do primeiro-ministro e só ele pode falar por isso. Nem mesmo o primeiro-ministro em substituição. Quando questionado sobre se Azeredo Lopes e Constança Urbano de Sousa têm a "confiança absoluta" do Governo, o ministro dos Negócios Estrangeiros, que por este dias substitui António Costa, de férias no estrangeiro, optou pela via legalista.

Escorando-se na normas constitucionais, Santos Silva respondeu: "Em primeiro lugar os ministros não têm a absoluta, nem a relativa, confiança do Governo. O Governo, como tal responde perante a Assembleia da República, os membros do Governo respondem perante o primeiro-ministro."

As declarações tiveram lugar no final da reunião conduzida pela secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, onde esteve em análise o impacto do furto de material de guerra em Tancos. A ameaça não justificou a alteração dos níveis de segurança.

Na terça-feira, Santos Silva tinha recusado comentar o futuro próximo dos governantes no olho do furacão político, limitando-se a constatar que "estão em plenitude de funções" e que a "responsabilidade maior" do Executivo é "averiguar os factos e responsabilidades".

À margem da abertura do "Encontro Ciência 2017", perante a insistência dos jornalistas para comentar o pedido de demissão avançado pelo CDS-PP acrescentou: "Não tenho nada a dizer, [as declarações] responsabilizam a senhora deputada Assunção Cristas".

Sobre a reunião desta tarde, o MNE assegurou que, apesar do desaparecimento de um considerável arsenal bélico em Tancos, o nível de ameaça ao país mantém-se "moderado" mas que essa avaliação "faz-se sempre de forma dinâmica e permanente".