Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Correspondente do “El País” em Lisboa goza com assalto a Tancos

PAULO CUNHA / LUSA

Jornal espanhol publica no seu site um artigo do correspondente em Lisboa onde o jornalista faz humor com o furto de armamento em Tancos

O conceituado jornal espanhol “El País” publicou esta terça-feira no seu site um artigo do correspondente em Lisboa onde o jornalista satiriza do título ao último parágrafo o assalto ao paiol de Tancos.

Partindo de diversas informações tornadas públicas pela imprensa portuguesa nos últimos dias, como por exemplo a inexistência de um sistema de videovigilância, Javier Martín destaca no título o facto de as torres de vigia estarem vazias e dos soldados que cumprem as rondas não terem as armas municiadas e pronta a disparar.

O jornalista começa o artigo por lembrar que Portugal é o terceiro país mais pacífico do mundo, para logo sublinhar, que é “tão pacífico” que na semana passada “uns estranhos foram à base militar de Tancos e levaram num carro armas sem que ninguém os impedisse”.

“Desde há cinco anos, Tancos, situada 120 quilómetros a noroeste de Lisboa, tem o sistema de videovigilância avariado, os sensores de movimento também não se mexem, a vedação não aguenta uma tesourada, e as 25 guaritas estão de tal forma devolutas que é melhor que nenhum soldado arrisque nelas a sua vida”, prossegue em tom irónico.

O correspondente do El Pais faz notar a seguir que os militares a quem cumpre passar ronda às instalações “vão rezando para que nada os ataque porque só se poderiam defender de uma cacetada”.

Em seguida, Javier Martín dá como certo que “os assaltantes chegaram num camião, fizeram um buraco na rede e foram até uma vintena de paióis mas só entraram naqueles onde estava o material de que necessitavam”. “Até no frigorífico lá de casa demoram mais tempo a encontrar os iogurtes”, escreve o jornalista.

“Depois de conhecer o Exército que cuida de Tancos, se Portugal não ficar em primeiro lugar no índice Global de Paz em 2018, será uma injustiça de pegar em armas”, remata.