Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Morais Sarmento ganha com maioria em Lisboa

Nuno Morais Sarmento evitou falar no Congresso de Carcavelos

Alberto Frias

O ex-ministro Nuno Morais Sarmento conseguiu a maioria dos votos na lista de delegados que encabeçou pela secção de Lisboa para a Assembleia Distrital do PSD, com cerca de 57% dos votos.

De acordo com fontes das duas listas concorrentes nesta secção, a lista L, "Lisboa Sempre", encabeçada por Nuno Morais Sarmento conseguiu 800 votos e a lista A, "Afirmar Lisboa", encabeçada pela ex-vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Marina Ferreira, obteve 597 votos.
Esta foi a única secção das dez do distrito de Lisboa a que concorreram duas listas. Nas restantes nove, bem como à liderança da distrital e da presidência da mesa da Assembleia Distrital de Lisboa apenas concorreu a lista A, afeta a Pedro Pinto, candidato único à liderança do PSD-Lisboa.
Em termos de delegados, a secção de Lisboa representa 267 do total de 825 delegados do distrito. A lista encabeçada por Morais Sarmento conseguiu 153 delegados.
No total das secções, as listas afetas a Pedro Pinto conseguiram cerca de 75% dos delegados eleitos para a Assembleia Distrital, órgão eleito pelo método de Hondt (613, sendo os restantes indicados pelas estruturas autónomas JSD e TSD).
Em declarações à Lusa e à Sábado quando já eram conhecidos os resultados, Nuno Morais Sarmento considerou que esta vitória "é um bom resultado".
"Ganhar é um bom resultado no sentido em que mostra que Lisboa está viva, o PSD está vivo. Que esta vitória seja em primeiro lugar um sinal de participação, em segundo lugar um sinal de mudança", disse.
Sobre o significado deste resultado no futuro do partido, o ex-ministro da Presidência de Durão Barroso e de Santana Lopes salientou que o próximo combate do PSD são as eleições autárquicas.
"O próximo momento que temos é as eleições autárquicas, o que temos de fazer é ajudar e estar nesse combate", disse, mostrando-se disponível para participar na campanha na capital.
Questionado sobre uma possível alternativa à liderança que esteja a ser preparada por este grupo de militantes para o próximo Congresso, previsto para abril do próximo ano, Morais Sarmento defendeu que a mudança no PSD "deve ser, em primeiro lugar, de posicionamento, de combate, de atitude, mais do que de caras ou de responsáveis".
Ainda não são conhecidos os resultados globais para a presidência da distrital de Lisboa do PSD, à qual é candidato único Pedro Pinto, apoiante do atual presidente do partido, Pedro Passos Coelho.
As eleições para os órgãos distritais do PSD em Lisboa decorreram no sábado.