Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Governo ‘desvia’ número 2 de Moreira

A vice da Câmara do Porto foi convidada para a administração do Porto de Leixões, mas ainda não aceitou

Isabel Paulo

Isabel Paulo

Jornalista

Cristina Figueiredo

Cristina Figueiredo

Jornalista da secção Política

Guilhermina Rego, vice-presidente da Câmara Municipal do Porto, deverá deixar a autarquia para ir presidir à Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL). A informação, que já circulava há algum tempo nos meandros políticos, é interpretada em sectores socialistas (críticos do entendimento entre o PS e Rui Moreira, abortado no início de maio) como a prova cabal de que havia mesmo um acordo para que Manuel Pizarro (agora ele próprio candidato à presidência da autarquia) fosse o nº 2 de Moreira no próximo mandato. Segundo essa tese, para que tal se concretizasse, Guilhermina Rego teria de “sair do caminho”, o que convenientemente aconteceria com o convite para a APDL, agora conhecido.

Embora ainda não tenha aceitado o convite, Guilhermina Rego “está sensível à mudança”, após oito anos no executivo da Câmara do Porto. Segundo fonte próxima da vice-presidente da autarquia, a ex-vereadora de Rui Rio no mandato de 2009 a 2013 e que se desvinculou do PSD para integrar a lista de Rui Moreira, “além de acusar o desgaste de funções, já foi mais próxima do presidente, cujo estilo de liderança, pouco dialogante, lhe merece reservas”.

A vereadora com o Pelouro da Educação, Organização e Planeamento integra, a par de Filipe Araújo (Inovação e Ambiente) e de Cristina Pimentel (Mobilidade), a equipa inicial de Rui Moreira, que no decurso do mandato perdeu Paulo Cunha e Silva, vítima de morte súbita, e Sampaio Pimental, nº 2 da sua lista, falecido após doença prolongada.

“Foram duas perdas que abalaram a coesão da vereação de Rui Moreira”, refere a mesma fonte, adiantando que Guilhermina Rego “não viu com bons olhos a forma como os próximos de Moreira e o próprio se distanciaram de Rui Rio logo após as eleições, deixando cair projetos em curso como o do Mercado do Bolhão ou do Pavilhão Rosa Mota”. O gabinete de Rui Moreira referiu ao Expresso desconhecer a saída de Guilhermina Rego.