Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Marcelo desvaloriza cancelamento de encontro com Temer: "Portugueses estão mal habituados"

José Carlos Carvalho

"Só dança quem está na roda", disse o Presidente da República. Michel Temer cancelou encontro com Marcelo e Costa, mas chefe de Estado quer esvaziar polémica, explicando que o País está "mal habituado" porque tem um Presidente "com uma disponibilidade constante que não é habitual noutros Estados"

O Presidente da República desvalorizou o cancelamento do encontro que esteve previsto com o seu homólogo brasileiro, Michel Temer, e que deveria ter ocorrido sábado à noite, em São Paulo. "Surgiu um problema no programa do senhor Presidente da República Federativa e, pedindo muita desculpa, disse que não estava com disponibilidade de horário para poder aparecer", disse Marcelo Rebelo de Sousa, acrescentando que a Presidência da República e o Gabinete do primeiro ministro já tinham sido informados anteriormente sobre o cancelamento "com muita pena nossa".

Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa estão em São Paulo e Rio de Janeiro este fim-de-semana para comemorar o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades e na agenda oficial da visita estava previsto um encontro do Presidente da República e do primeiro-ministro com Michel Temer. "O essencial é o encontro entre povos. Há aqui um princípio básico, que é só dança quem está na roda, e quem está na roda, quer estar na roda", disse o chefe de Estado, acrescentando que "há Presidentes que, em virtude de conjunturas que só eles conhecem e de problemas que só eles conhecem, têm mais disponibilidade que outros", disse.

No ano passado, as comemorações oficiais do Dia de Portugal decorreram em Paris, onde Marcelo Rebelo de Sousa foi recebido pelo então Presidente, François Hollande. Confrontado pelos jornalistas com a diferença, o Presidente reagiu dizendo "os portugueses estão mal habituados". "Estão habituados a um Presidente da República e a um primeiro-ministro que, por virtude da situação estável, tranquila do país, têm uma disponibilidade constante que não é habitual noutros Estados", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa quiseram esvaziar qualquer polémica, garantindo que as autoridades portuguesas sentiram e sentirão, nesta deslocação, "o abraço brasileiro". "Sentimos, na forma acolhedora como o senhor prefeito [João Dória] nos recebeu, como sentiremos no Rio também", disse o Presidente. Ao seu lado, o primeiro-ministro acrescentou: "O objetivo principal deste encontro é festejar com as comunidades portuguesas", e o Presidente retorquiu: "Claro".

Na receção com aquela que é a segunda maior comunidade portuguesa no Brasil, com mais de 212 mil pessoas, o Presidente abraçou os netos, que vivem em São Paulo, e cumprimentou dezenas de pessoas, distribuindo abraços e beijos e posando para fotografias 'selfie' que as pessoas iam pedindo. "Se o Brasil tivesse um Presidente destes, estava bem para caramba", comentou um cidadão brasileiro.