Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Mexia fala esta terça-feira sobre suspeitas de corrupção na EDP

António Mexia, presidente da EDP

Luis Barra

Presidente da energética vai dar conferência de imprensa a propósito da investigação em que é suspeito de corrupção

A EDP agendou uma conferência de imprensa para terça-feira, na qual o presidente executivo, António Mexia, falará do processo em que é arguido relativo a eventuais crimes de corrupção e participação económica em negócio.

Fonte oficial da EDP adiantou à Lusa que a conferência de imprensa, com início marcado para as 09:30, decorrerá na sede da elétrica em Lisboa, contando com a presença de “alguns administradores” da empresa.

Além de António Mexia, João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, também foi constituído arguido por ter assinado os contratos de apoio à produção de eletricidade, quando era presidente da EDP Produção.

Em causa estão os Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC), que substituíram os Contratos de Aquisição de Energia (CAE).

Na sexta-feira, a sede da EDP “foi objeto de uma visita de um Procurador da República do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), acompanhado de vários Inspetores da Polícia Judiciária”, afirmou a empresa na sexta-feira, em comunicado.

A EDP disse que a visita se insere “no âmbito de uma investigação que teve origem numa denúncia anónima” e que se reporta a matéria relacionada com os CAE e a sua substituição pelos CMEC, iniciada em 2004.

Os CMEC são uma das designadas “rendas excessivas” da energia, atacadas pela 'troika' (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central europeu), durante o programa de assistência financeira a Portugal.

Trata-se de um “pagamento adicional” sobre as receitas de mercado que a EDP aufere, que visa garantir que a margem bruta angariada pela empresa em mercado, adicionada da compensação CMEC, seja aproximadamente idêntica à que havia sido contratada nos CAE, cuja cessação ocorreu em junho de 2007, antes do arranque do funcionamento do mercado grossista de energia elétrica, que aconteceu em 01 de julho de 2007.

A cessação dos CAE aconteceu há quase dez anos e foi formalizada numa cerimónia na Barragem do Castelo de Bode, Tomar, pelo então ministro da Economia e Inovação, Manuel Pinho.

Manuel Pinho representou a decisão tomada em Conselho de Ministros no dia 15 de março de 2007, que alterou o decreto-lei de 2004, fixando o preço das compensações a pagar à EDP em 50 euros o megawatt/hora (Mwh), ao contrário dos anteriores 36 euros por MWh.

Além dos presidentes da EDP e da EDP Renováveis, foram constituídos arguidos o administrador da REN e antigo consultor do ex-ministro Manuel Pinho, João Faria Conceição, e Pedro Furtado, responsável de regulação na empresa gestora das redes energéticas.