Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Ferreira Leite: “PSD associou-se a perspetiva pessimista e agora é difícil adotar outro discurso”

A antiga líder dos sociais-democratas sublinhou que “na origem do grande salto” da economia portuguesa está a utilização dos fundos comunitários. Manuela Ferreira Leite defendeu que a questão não tem sido abordada: “deveria ser dito e assumido”

Manuela Ferreira Leite criticou o tipo de discurso adotado pelo PSD enquanto partido da oposição. No habitual espaço de comentário na TVI24, a antiga líder dos sociais-democratas defendeu que o “erro” do partido presidido por Pedro Passos Coelho foi “não ter perspetivado que isto [economia nacional] ia melhorar”.

“Se tivesse imaginado que o facto de se reduzirem impostos diretos e passar a indiretos não tinha tantos efeitos recessivos; se tivesse vislumbrado que a Europa, mais dia, menos dia, ia melhorar; se tivesse imaginado que os fundos comunitários que ainda não tinham entrado, mas estavam, para vir”, explicou a comentadora. “Deviam ter perspetivado e ter-se associado a uma perspetiva de crescimento. O PSD associou-se a uma perspetiva pessimista e agora é difícil adotar outro discurso”, acrescentou.

Para Ferreira Leite, que “subscreve Marcelo Rebelo de Sousa”, é necessário “equilíbrio” e contenção no “deslumbramento” com os números do crescimento da economia portuguesa. No entanto, defendeu também que “após tantos tempos difíceis”, os portugueses devem estar esperançosos.

“Os números são, evidentemente, sustentáveis. À não ser que acontece alguma catástrofe que ninguém está à espera, acho que os elementos, os números e a evolução são consistentes”, considerou Ferreira Leite, relembrando que quando foi divulgado o Orçamento do Estado referiu que os dados apresentados pelo Governo eram “muito cautelosos”.

A ex-ministra das Finanças argumentou ainda que há um ponto “na origem do grande salto” que tem sido pouco falado: “a utilização dos fundos comunitários”. “Está a entrar muito dinheiro todos os dias nos bancos e para as empresas através de uma série de programas e projetos implementados”, disse.

“O Bloco de Esquerda não abre a boca sobre este ponto. O Partido Comunista também não. Porquê? Acho que está a vista”, comentou Ferreira Leite, justificando que seria contraditório para estes partidos admitirem que a linha de crescimento se deve aos fundos da União Europeia, uma vez que ambos defendem a saída dos 28. “Lamento que não haja seriedade suficiente. Acho que isso deveria ser dito e assumido”, insistiu.