Siga-nos

Perfil

Expresso

Política

Augusto Santos Silva lamenta que PSD continua a “cegar-se” a si próprio

O ministro dos Negócios Estrangeiros lamentou que o principal partido da oposição atribua o crescimento do PIB às “reformas realizadas pelo anterior Governo (PSD/CDS), à conjuntura internacional e na União Europeia mais favoráveis”

O ministro Augusto Santos Silva e "número dois" do Governo lamentou esta segunda-feira, em Bruxelas, que o PSD continue a "cegar-se a si próprio perante a realidade" da recuperação da economia portuguesa no último ano e nos últimos trimestres.

Em declarações aos jornalistas à margem de uma reunião de chefes de diplomacia da União Europeia, o ministro português dos Negócios Estrangeiros, Santos Silva, saudou os dados esta segunda-feira publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre do ano e lamentou que o principal partido da oposição os atribua às "reformas realizadas pelo anterior Governo (PSD/CDS), à conjuntura internacional e na União Europeia mais favoráveis".

"Eu não tenho nenhum comentário a fazer a não ser lamentar essa atitude. O país precisa de partidos políticos ativos, construtivos, e ficarmos eternamente numa atitude de nos cegarmos a nós próprios perante a realidade não me parece que seja bom para ninguém", comentou Santos Silva.

Segundo o ministro, "o que acontece é que a economia portuguesa entrou num ciclo de recuperação, o que acontece é que essa recuperação se tem acelerado nos últimos trimestres, o que acontece é que essa recuperação se tenha feito sentir no âmbito do combate ao desemprego, no âmbito da criação de emprego, no âmbito do investimento privado, no âmbito do desenvolvimento do comércio externo, em particular das exportações, e no âmbito do estímulo à procura interna".

"E o que é verdade também é que tudo isto é compatível com uma politica de reposição de rendimentos, de reposição de salários cortados, de reposição de pensões cortadas e de desagravamento da carga fiscal. É compatível. Na minha opinião, até é um fruto dessa política. Admito que outros tenham uma interpretação diferente, mas não vale a pena desmentir este facto", reforçou, insistindo que "não vale a pena chegar lá fora, ver chover e dizer «não chove»".

Questionado se foi felicitado em Bruxelas pelo crescimento da economia portuguesa, Santos Silva disse que sim, após dar conta dos dados do Instituto Nacional de Estatística aos seus homólogos, mas revelou que, para sua surpresa, escutou antes felicitações de outra natureza.

"Hoje, para minha surpresa pessoal, mas ignorância minha, os primeiros parabéns que recebi foram mesmo por causa da vitória portuguesa no festival da Eurovisão.

Depois saíram os números, e à medida que os fui dizendo também recebi evidentemente felicitações. E recebi felicitações porquê? Porque é do interesse de nós todos que a Europa cresça", declarou.

De acordo com os números esta segunda-feira divulgados pelo INE, a economia portuguesa cresceu 2,8% no primeiro trimestre de 2017 face ao mesmo período do ano passado e, comparando com o trimestre anterior, cresceu 1%, segundo o INE.

De acordo com a estimativa rápida das contas nacionais trimestrais relativas aos primeiros três meses deste ano, divulgadas esta segunda-feira pelo INE, o PIB aumentou 2,8% em volume no 1.º trimestre de 2017, em termos homólogos, depois de no trimestre anterior ter registado uma variação homóloga de 2%, e cresceu 1% em comparação com o último trimestre de 2016.

Este desempenho trimestral homólogo é, assim, o mais positivo dos últimos dez anos, já que iguala o crescimento verificado no último trimestre de 2007, período em que a economia portuguesa cresceu também 2,8%.

O PSD saudou esta segunda-feira este crescimento da economia portuguesa, considerando que se trata de uma recuperação que se deve essencialmente às reformas realizadas pelo Governo anterior (PSD/CDS).

"Estamos contentes com a recuperação do PIB [Produto Interno Bruto] neste trimestre que se deve às reformas realizadas pelo anterior Governo, à conjuntura internacional e na União Europeia mais favoráveis", declarou à Lusa a deputada social-democrata Inês Domingos.